terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

O olho do fotógrafo - El ojo del fotografo


O olho do fotógrafo - Composição e desenho para criar melhores fotografias digitais - Michael Freeman
194 páginas ricamente ilustradas sobre fotografia
LINK FILESERVE
LINK 4SHARED



segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Livros, palestras, fotos, jornais e muito mais


Uma seleção de links interessantes para comunicólogos e afins, são livros, fotos, palestras, acervos de jornais e muito mais. 

Cerca de quatro milhões de fotos, entre 1860 a 1970. ( Fotografias históricas do acervo da Revista Life )


Blog de Patrice Nelson - Belas fotos no Beautiful Life Images

Henri Cartier-Bresson - Fotógrafo francês, considerado um dos mais importantes do século XX (20 mil fotos). Outros grandes mestres da fotografia

50 mil fotos históricas de 1840 a 2010 - O maior banco de imagens históricas do mundo.

100 livros sobre comunicação para download (Livros Labcom é um projeto editorial que disponibiliza em PDF todos os livros publicados pelo LabCom: Laboratório de Comunicação On-line (www.labcom.ubi.pt), um espaço física e virtualmente afecto ao Departamento de Comunicação e Artes da Universidade da Beira Interior - Portugal) Todos em formato PDF.

Preciosidades históricas em sete idiomas no acervo da Biblioteca Digital Mundial. No acervo estão manuscritos, gravuras, desenhos, etc.
Biblioteca Nacional Brasil Digital - Memória Virtual Brasileira

800 minipalestras para ver on-line - Tudo sobre tecnologia, entretenimento e design (TED).

70 anos de história do “Jornal do Brasil” digitalizados. O primeiro jornal 100% digital do país.

Aproveitem!!!

domingo, 29 de janeiro de 2012

Aplicativos Facebook para quem gosta de ler

Aplicativos Facebook para amantes de livros

Se você gosta de livros, vai gostar dos aplivcativos abaixo. Eles estão listados em ordem de usuários ativos mensais.

1. Goodreads : Veja o que seus amigos estão lendo. (150.734 usuários ativos mensais)

2. Bookshelf Visual : Veja o que seus amigos estão lendo, escreva comentários, e recomende (95.048 usuários ativos mensais)

3. weRead : Compartilhe sua estante. Veja o que seus amigos estão lendo e muito mais (57.870 usuários ativos mensais)

4. aNobii Books App : Encontre e compartilhe livros no Facebook (32.259 usuários ativos mensais)

5. I’m Reading : Lista de livros que você está lendo. É possível navegar através de comentários de seus amigos(15.722 usuários ativos mensais)

6. Comic Books Beta : Fique por dentro das histórias em quadrinhos novidades dos editores importantes, como a Dark Horse, DC, Image e Marvel (7601 usuários ativos mensais)

7. PaperBackSwap : Os livros que você recebe, sua estante atual, livros que leu e livros para serem lidos, classificações e opiniões. (7339 usuários ativos mensais)

8. Excellent Books : Grandes Livros (4.773 usuários ativos mensais)

9. Lendle: Kindle™ Book Sharing : A maneira mais fácil e rápida para emprestar e tomar emprestado livros Kindle ™. (4337 usuários ativos mensais)

10. AuthorPages by Rethink Books : fornece soluções para que os autores mostrarem seus trabalhos em páginas do Facebook. (3871 usuários ativos mensais)

11. We Read : Mostra os livros você está lendo, revise e discuta sobre livros. Descubra os usuários com livros semelhantes e que livros são populares entre seus amigos e outros usuários (2340 usuários ativos mensais)

12. Avon Romance : Grandes livros, ótimas história,paixões e muitos finais felizes (2209 usuários ativos mensais)

13. Tumblebooks : O primeiro aplicativo do gênero no Facebook (1644 usuários ativos mensais)

14. Dr. Seuss Books : Maneira divertida de aprender a ler (1557 usuários ativos mensais)

15. BookBooN.com : Baixe livros gratuitamente.

16. Bookshare Books : Mostre de uma forma limpa e simples, a lista de seus livros favoritos e o
que você está lendo atualmente em seu perfil (1.372 usuários ativos mensais)

17. BookYap Recommends: Conte-nos o que você gosta e nós vamos lhe dizer o que ler. Recomendações de leitura. (1361 usuários ativos mensais)

terça-feira, 9 de novembro de 2010

“SOLO DE MARAJÓ” VOLTA AO CARTAZ NO TEATRO DO CCBEU


Monólogo com o ator Cláudio Barros leva ao palco o lirismo e o drama da vida amazônica ao narrar cinco pequenas histórias extraídas do romance “Marajó”, de Dalcídio Jurandir



ESTREIA: 12 DE NOVEMBRO (SEXTA-FEIRA)

DATAS: 12 a 28 de novembro (sempre de sexta a domingo)

HORÁRIO: 21 HORAS

LOCAL: TEATRO CCBEU (Travessa Pe. Eutíquio, 1309)

INGRESSOS: R$ 20,00 (inteira) R$ 10,00 (meia)



O espetáculo teatral “Solo de Marajó” estreia no teatro do CCBEU nesta sexta-feira, dia 12, para uma nova temporada de três finais de semana, que prossegue até o dia 28, sempre de sexta a domingo, às 21 horas. Em cena, o ator Cláudio Barros narra sozinho, e com um mínimo de recursos cênicos, cinco pequenas histórias extraídas do romance “Marajó”, o segundo da saga amazônica escrita pelo paraense Dalcídio Jurandir.

O espetáculo estreou no ano passado durante a Feira Panamazônica do Livro e depois fez temporada no Cine Teatro Líbero Luxardo, do Centur. A montagem tem direção de Alberto Silva Neto, dramaturgia de Carlos Correia Santos, assistência de direção de Papi Nunes, cenografia de Nando Lima, iluminação de Tarik Coelho e produção executiva de Sandra Condurú.

No início do processo, Cláudio, Alberto e Carlos resolveram escolher fragmentos do romance que possuíssem estrutura narrativa e personagens interessantes. De nove trechos selecionados inicialmente, cinco compuseram a dramaturgia final do espetáculo. São histórias que transitam do lirismo à crueldade, revelando um retrato multifacetado das relações humanas de quem vive mergulhado nos confins da Amazônia.

“Solo de Marajó” é um espetáculo simples, no qual a cenografia, a iluminação e o figurino são neutros e buscam ressaltar a presença do ator, o elemento mais importante desta encenação. Para criar este solo e narrar as histórias ficcionais de Dalcídio, Cláudio Barros partiu de um repertório de ações físicas que resultaram do ato de contar histórias pessoais e também gerou ações e sonoridades induzidas por descrições de lugares, sons e cheiros contidas na obra.

DALCÍDIO JURANDIR – Criador do Ciclo do Extremo Norte, conjunto de romances que retratam a realidade social do homem da Amazônia, Dalcídio Jurandir nasceu na Vila de Ponta de Pedras, Ilha do Marajó (PA), em 10 de janeiro de 1909, filho de Alfredo Pereira e Margarida Ramos. Em 1927, viajou para o Rio de Janeiro, a bordo do navio Duque de Caxias. Na capital carioca, enfrentou várias dificuldades. Foi lavador de pratos no Café e Restaurante São Silvestre. Conseguiu, após um breve tempo, o lugar de revisor, sem remuneração, na revista "Fon-Fon". Voltou a Belém no mesmo navio, tendo aproveitado a viagem para ler livros de clássicos portugueses e de poetas nacionais.

Em 1940, foi agraciado com o Prêmio Dom Casmurro de Literatura, concedido pelo jornal de mesmo nome e pela Editora Vecchi, com o romance "Chove nos Campos de Cachoeira". Faziam parte do júri, entre outros, Oswald de Andrade, Jorge Amado, Rachel de Queiroz e Álvaro Moreira. Em 1945 e 1946, fez parte da redação do jornal “Tribuna Popular” e colaborou nos periódicos “O Jornal”, “A classe operária” e na revista “O Cruzeiro”. No ano seguinte, o livro “Marajó” foi editado pela Livraria José Olympio Editora. Em 1972, a Academia Brasileira de Letras concedeu ao autor o Prêmio Machado de Assis de Literatura, pelo conjunto de sua obra, que lhe foi entregue por Jorge Amado. No dia 16 de junho de 1979, o escritor faleceu na cidade do Rio de Janeiro.

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

XIV Feira Pan-Amazônica do Livro

Pluralidade cultural africana homenageada na XIV Feira Pan-Amazônica do Livro.
Hoje na programação: 11h30 às 12h30 - Mesa-redonda: A formação do educador - Relações étnico-raciais na contemporaneidade.
Leia mais no Site da Feira

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Prefeitura de Belém condecora o escritor Salomão Larêdo

No dia 12 de janeiro de 2009, em comemoração aos 393 anos da fundação de Belém, o escritor Salomão Larêdo, recebeu da Prefeitura Municipal de Belém, a maior comenda do município, denominada “ Medalha do Mérito Francisco Caldeira de Castelo Branco”, fundador de Belém, em 1616.
A cerimônia aconteceu às 19 horas no Cinema Olímpia, espaço cultural da PMB à Praça da República, presente diversas personalidades agraciadas com a medalha.
A Prefeitura de Belém comunicou ao escritor a aprovação de seu nome para o recebimento da medalha num reconhecimento do governo municipal a expressão intelectual e referência pública cultural que é referido escritor.

terça-feira, 17 de junho de 2008

O Google encontra quase tudo...

Se você é dessas pessoas que passa horas em frente ao computador e sempre que precisa encontrar algo recorre ao Google, aqui vai uma dica:
Se você procura é um bom candidato para votar nas próximas eleições, siga as instruções...
Entre na página do Google.
Digite "Político Honesto"
Selecione "páginas em português"
clique em "estou com sorte"...
O resultado é assustador.

terça-feira, 27 de maio de 2008

MAPARÁ, PATRIMÔNIO CULTURAL DE CAMETÁ



Cametá, “papamapará”. Assim se mexia com o cametaense até a década de 1970. Em 1984, a hidrelétrica de Tucuruí foi inaugurada e a água do rio Tocantins sofreu enormes mutações, como ser estrangulada, com impedimento à navegação à jusante e à montante da barragem e outras mudanças de ordem sócio-ambientais que alteraram o modo de vida do ribeirinho que viu a transformação: água ter cor, sabor e odor. Mudou de cor, o sabor e o cheiro, desagradáveis, muito limo, piolho d’água e o areal que está tornando praia o que antes era água. Um desastre ecológico que tem derrubado o cais da cidade de Cametá até hoje sem conserto.
E o mapará que bamburrava nas águas tocantinas da área de Cametá, sumiu e o pouco que se encontra, concentrou-se no lago de Tucuruí que nunca teve tradição piscosa do tipo mapará (hypophtholuns edenatus) .
Mas, o cametaense continuou convivendo com a fama de ser papamapará ou de que “era papamapará” como passei a usar nos meus livros.
Bem lentamente começam a aparecer as camboas com o mapará cametaense, o pescador vê, com emoção o brilho prateado entre as canoas no bloqueio. Há um aceno de esperança nesse meio de vida do caboclo mais consciente de sua ação no mundo que precisa de equilibrio sustentável nessas manejadas políticas públicas impostas pelo neoliberalismo econômico que só olha o lucro do capital, o homem da Amazônia se ferrando, feio.
Por isso, venho, antes que o mapará desapareça no mercado exportador, antes que algum aventureiro de outras plagas se aposse e aí seja tarde demais, na condição de cametaense, reivindicar seja o mapará reconhecido como patrimônio cultural de Cametá,local tradicional onde ainda se pode saborear tão gostoso prato, um petisco que pode e deve ser servido de todo tipo e jeito,dentre os quais: cosido , frito, moqueado , no lixo ou de barriga cheia, seco, com pirão de açaí, com feijão, no quitim, como café da manhã, no almoço ou no jantar, com farinha d’água ou seca, com pimenta, com limão, no tucupi, o lanzudo se presta até para adornar pizza e pode ser feito no caldo da vinagreira, com maxixe, limão azedo, na tala, assado e mil outros modo.
Você, leitor, sabe porque todo cametaense é inteligente? Porque come cabeça de mapará, dizia o escritor conterrâneo Victor Tamer e corroborado pelo poeta Alberto Mocbel, mestro Cupijó pelos famosos artistas: Natal Silva, Kim Marques, Ivan Cardoso, médicos Luis Malcher, Herundino Moreira e pelos lingüistas Danuzio Pompeu e Doriedson Rodrigues e tantos outros filhos de Cametá.
Quer comer mapará com açaí, farinha e aviú ? Vá à Cametá à festa de são João,no próximo mês de junho e se empanturre de tudo o quanto tem de gostoso na cozinha cametauara e ajude a tornar o mapará patrimônio cultural de Cametá, com pitiú e tudo o mais.

Salomão Larêdo, advogado, escritor e jornalista
(Publicado no Jornal O Liberal , edição do dia 26 de maio de 2008 – Belém – Pará )

segunda-feira, 12 de maio de 2008

Piada

Na aula de biologia, o professor pergunta:
- Joãozinho! Quantos testículos nós temos?
- Quatro professor - responde o menino sem pestanejar.
- Quatro? Você ficou doido?
- Bem… Pelo menos os meus dois eu garanto!

sexta-feira, 2 de maio de 2008

Faroeste Caboclo

Margem esquerda do Igarapé do Francez, município de Santa Cruz do Arari– o terror foi desencadeado no início de março de 2008, quando o pistoleiro Piauí e outros capangas invadiram e atearam fogo em diversas casas de colonos na localidade de Francez, expulsando as famílias e saqueando suas residências. Segundo o relato do presidente da Associação dos Pequenos Produtores Rurais da Comunidade de Francez, José Almir Alves da Costa, o ato de pistolagem se deu a mando do proprietário da Fazenda Santo Elias, sr. Guilherme Benchimol que, na manhã do dia 8 de abril, “ali chegou em uma voadeira juntamente com o pistoleiro Piauí e outros desconhecidos, com armas de fogo, que novamente deram o ultimato aos colonos para o abandono de suas residências em dez dias, pois se não saírem irão sofrer graves conseqüências”, sob a alegação de que as terras pertenceriam ao fazendeiro. Desde então, cerca de setenta famílias deixaram suas pequenas posses, escondendo-se em casas de parentes, como bandidos fossem, ou mesmo deixando a localidade com medo de sofrer as “graves conseqüências”, como ameaçou o pistoleiro. Piauí, também conhecido como José Amoedo, é bandido conhecido na região de Cachoeira e Santa Cruz, tendo cerca de vinte denúncias por homicídio, sempre de forma violenta, a serviço de fazendeiros inescrupulosos.Na seqüência dos fatos, na manhã do dia nove, a professora da pequena escola da localidade foi procurada por algumas famílias que tiveram as casas queimadas e saqueadas, e cedeu a escola para que guardassem o que restou de seus pertences. Sem ter a quem recorrer, pois o presidente da Associação não estava na região, os moradores conseguiram uma rabeta e pediram à professora que acompanhasse um grupo para ir à delegacia de Santa Cruz do Arari, onde foi registrado o ato criminoso dos capangas do fazendeiro Guilherme Benchimol. Aconselhado a procurar a Juíza e a Delegacia em Cachoeira do Arari, o grupo seguiu para esta cidade vizinha onde o presidente da Associação prestou Termo de Declaração no dia 25 de abril, permanecendo o grupo até o dia 29 em Cachoeira, sem recursos e ameaçados de morte caso voltem à comunidade, conforme telefonema recebido na própria Delegacia de Cachoeira citando especificamente a professora – consta que o pistoleiro aguarda o grupo no caminho de volta. No entanto, na madrugada do dia 30, o grupo de moradores voltou de motor para o Francez, mesmo correndo perigo de vida, enquanto a professora permaneceu em Cachoeira acompanhando o andamento das investigações.O Igarapé do Francez divide os municípios de Anajás e Santa Cruz do Arari, na região dos campos da Ilha do Marajó. A comunidade fica em sua margem esquerda e a escola na margem direita (município de Anajás), atendendo sessenta e três alunos dos dois municípios. As terras em litígio localizam-se no município de Santa Cruz do Arari e compreendem uma área de pouco menos de seis mil hectares, demarcadas em 22 de abril de 2004 pelo Instituto de Terras do Pará – ITERPA como de propriedade da Associação dos Pequenos Produtores Rurais da Comunidade Francez, segundo o protocolo no. 2002/308531.Em outro documento - certidão emitida em 27 de agosto de 2003 - a Gerência Regional de Patrimônio da União no Pará e Amapá – GRPU/PA-AP certifica a tramitação do processo de no. 05010.001401/2003-32 referente ao pedido da Associação de cessão de uso da área caracterizada como terreno de marinha e de propriedade da União, destinada à implantação de projeto de Manejo Florestal Sustentado de Açaizeiro. No decorrer desse processo, ao final de 2007 foram emitidos pela GRPU/PA-AP os primeiros Termos de Autorização de Uso “para o desbaste de açaizais, colheita de frutos ou manejo de outras espécies extrativistas”, como consta no Termo de no. 5503/2007, emitido em 26 de novembro a favor de Benedito Cordeiro da Silva, um dos moradores que teve parte de sua residência queimada pelos bandidos.Hoje, segundo o presidente da Associação, José Almir, vivem no Francez mais de cem famílias, das quais cerca de setenta estão escondidas com medo da ação dos pistoleiros de Benchimol. Acostumados na antiga e perversa tradição do coronelismo e na prática da “meia”, vários fazendeiros do Marajó lucram com a exploração do trabalho escravo das famílias que residem em “suas terras” há gerações, conforme denunciou Benedito Cordeiro. Outro caso recente que bem ilustra essa prática criminosa ocorreu ao final de 2007 quando Teodoro Lalor, colono da localidade de Gurupá no município de Cachoeira do Arari, sofreu perseguição e foi preso por denúncia do fazendeiro Liberato de Castro.Lalor ocupa uma área de manejo de açaí pretendida por Liberato, mas ganhou na Justiça a autorização de uso e enfureceu o fazendeiro que explora outras áreas na região de Cachoeira e Ponta de Pedras com a prática da “meia” – o colono colhe o açaí e metade fica com o fazendeiro. Em janeiro de 2008, doente e internado no Hospital de Cachoeira, Lalor recebeu a solidariedade de colonos de toda a região que realizaram duas passeatas pelas ruas de Cachoeira com apoio da Federação dos Trabalhadores na Agricultura – FETAGRI/PA, e teve a prisão revogada por ordem da Juíza da Comarca.No entanto, enquanto Piauí e seus comparsas, a mando de Guilherme Benchimol, aguardam o retorno dos colonos do Francez na curva do rio acostumados nos desmandos do coronelismo e na certeza da impunidade que o isolamento do Marajó sempre facilitou, as notícias agora viajam na velocidade da internet, importante arma na luta pelos direitos humanos e pela terra a quem nela trabalha.Cachoeira do Arari, abril de 2008

quinta-feira, 17 de abril de 2008

Walcyr Monteiro - 35 anos de Visagens e Assombrações



Em 2007, Walcyr Monteiro comemorou 35 anos da publicação Visagens e Assombrações de Belém, no jornal A Província do Pará e 10 anos da primeira edição do número um da série Visagens, Assombrações e Encantamentos da Amazônia.
Regozijada com o evento, a União dos Escritores e Artistas da Amazônia - UEAMA, realiza a Exposição Walcyr Monteiro - 35 anos de Visagens e Assombrações, que apresenta as diversas edições dessas obras e outras em várias áreas. Assim, poderá ser visto o exemplar de A Província do Pará, de 1972, que contou a primeira história - A Matinta Pereira do Acampamento, as 5 edições de Visagens e Assombrações de Belém (a 5ª edição encontra-se na 3ª tiragem), a série Visagens, Assombrações e Encantamentos da Amazônia com suas edições, As Incríveis Histórias do Caboclo do Pará, Miscelânea ou Vida em Turbilhão, Cosmopoemas, o livro editado pelo Instituto Piaget, Histórias Portuguesas e Brasileiras para as Crianças (em co-autoria com o escritor português Fernando Vale) e o conto Presente de Natal, publicado em Português, Espanhol, Inglês e Japonês pela Editora Shinseken, do Japão.
Informações sobre peças teatrais, filmes de curta-metragem (como por exemplo, "Visagens", o primeiro filme em Stop Motion do Pará), espetáculos de dança e outros, serão vistos nesta exposição, que também mostra o trabalho de Walcyr Monteiro utilizado em atividades escolares de ensino fundamental e de universidades, sendo objeto de vários TCCs.Enfim, a exposição Walcyr Monteiro - 35 anos de Visagens e Assombrações apresenta uma mostra deste incrível universo encantado.

P R O G R A M A Ç Ã O
Fundação Cultural Tancredo Neves
Hall de Entrada - 23 a 30 de abril de 2008 / 8h30 às 19h
Banco da Amazônia Espaço Cultural
02 a 14 de maio de 2008 / 10h às 18h
Fundação Cultural Tancredo Neves
Hall de Entrada - 06 de maio a 05 de junho / 8h30 às 19h
Universidade da Amazônia - Unama
Galeria Graça Landeira 13 a 30 de junho / 9h às 12h - 15h às 22h Sábado das 9h às 12h

segunda-feira, 24 de março de 2008

A asa e a serpente (primeiro livro de Andara)


Vicente Cecim

A asa e a serpente
(primeiro livro de Andara)

Minha mão esquerda está cuidando da direita como se fossem dois irmãos

E há aves caindo do céu e se transformando em terra. A mão direita que ainda mata

Bem no começo da viagem, é preciso dizer o que contém este primeiro livro. Ele é o relato da aparição de uma assombração militar em Santa Maria do Grão.

Esta viagem a Andara
E aonde mais?
Na vida.
Andara é perto e longe. Andara está dentro de ti. E fora. E dentro de mim.
Diz a voz

Esta voz

E agora, se vocês já estão prontos para as febres do sangue sem esperança de um prisioneiro da cabeça escura e das idades do homem
Já?

Mais tarde teremos um dia na vida do homem sem memória.
E depois, arte mecânica e revolta.
Isso anuncia dois finais. Falsos. Para escolher

E bem no finzinho, cairá a chuva.
Mas essa, irmãozinhos, é uma outra, e rara, chuva

Eles ainda entregarão outras crianças às águas, arrastados pelo desejo de tocar o fundo

Por que estas palavras, e não outras, para contar pela primeira vez a vocês a história?

Agora passo a narrar, sem fôlego,
às vezes alegre, às vezes triste,
todo o conteúdo de um dos meus sonos.
Um dos mais reais

Tudo se dá aqui, entre luzes e sombras.
E não lá, onde respira o vapor dos venenos cotidianos o leitor impossível de tocar de outro modo, à traição. Com estas mãos. As mesmas que revelarão uma última porção de terra fértil na palma,
depois que o último homem houver passado,
distraído,
olhando os pés que vão porque querem ir como os olhos vão porque querem ir neste texto que fala de uma tarde dada ao acaso.
O morto voltou numa tarde. Então começo por essa tarde.
Também voltam os guinchos e os animais que fazem uma careta cômica para a origem do bem e do mal.
Eu falo do tecido fino onde a vida dá sentido à vida.
E este é o relato.
Nele, vocês verão apenas dois focinhos humanos.
O meu e o do sargento Nazareno.
Os outros estarão velados pela noite de uma fábula detestável.
Mas ao mesmo tempo é uma atmosfera limite o que me leva esconder as identidade das suas carnes e a intenção de dar a vocês um jogo e um ingrediente do susto infantil

A memória. Um retorno sobre os mesmos passos para onde quer que se vá.
Mas não neste caso, talvez
Será uma fala da outra voz a invenção do Nazareno e desta história escura, estremecida de relâmpagos em plena estação do medo

Meti a mão no passado,
mas é um passado que guardo na memória sem ter vivido um só momento dele, eu não estive lá
para extrair um fantasma assim sem vida, um tanto estragado e mutilado depois que o matei pela primeira vez. E sujo de terra depois que eu o enterrei com a ajuda de um cortejo de miseráveis e infelizes criados pela imaginação, ou sonhados. Ou é sem dúvida a memória. Ou dos quais apenas me lembro desde que comecei a falar de improviso, sem nenhuma realidade sob os pés.

E no entanto eu não minto
Tenho ainda um olho vivo e este outro olho, morto, enterrado na cara. Mas ele é necessário, como verão. Sem ele não teríamos um morto de volta à vida.
E é pelo segundo olho, o que morreu, que posso jurar
Embora seja o primeiro que veja que estamos prontos para dar início.

- Tu és pó e do pó retornarás.

Esta é a operação revoltada que alterará o passado e a tradição dos circos ambulantes, pela substituição de uma única letra numa voz que fala de fatalidade

E assim caímos, ou volta à tona o texto, no momento exato em que o Nazareno está regressando para começar a sua segunda vida, na qual ele recusará todo o horror e as cruzes de vidro que o dia de ontem alimentou no seu ventre com rações de violência. Não teremos mais seus dentes à mostra. Eu falo de um homem que dirá adeus às cidades e penetrará num rio com vegetais vermelhos, em busca da felicidade, com uma provisão de mistérios em cada lábio.

Eu e os infelizes havíamos enterrado o seu corpo, depois que eu o matei, num caixão capaz de resistir ao ódio de um morto à traição.

Mas a sua volta era a evidência, em pleno ar daquela tarde, de que nem a madeira mais dura pode resistir à outra intenção com que eu conto esta história.

O Nazareno voltava.
E carregava seu caixão na cabeça. Ia entrando, com passos exaustos, pela rua que o levaria à sombra dos monumentos irônicos que espiam a vida na praça de Santa Maria do Grão enquanto olhos ocultos o viam chegar. E não respire, não viva. Ninguém quis acreditar no que viu

Ele estava acabado como um morto que segue em busca de uma estrela, naquele fim de tarde de resto igual aos outros, lento, parando para se deixar engolir pela noite.
Quando parou, espanto e medo. Estava onde eu temia. Vi que era o mesmo lugar onde eu havia espetado o seu corpo com a faca,
uma emoção do rancor. Uma sombra de homem com uma faca por trás de um homem adormecido.
Digo tudo o que vi no meu sono. Sem pudor.
Ele sentou. E era o chão onde eu fiz correr um mar vermelho, o sangue apagado pela memória das testemunhas e, também, pelos pés do acaso fazendo a sua passagem por ali
Pôs o caixão do seu lado. Apoiou a costa na parede de uma casa. A costa onde haveria uma cicatriz azul, ao redor da ferida,
ou nada. Tudo podia ter sido apagado pela morte. E sua cabeça caiu da altura de um abismo para a paz do seu peito, um jardim sem piedade.
Afundando assim, ele dormiu. E esqueceu que havia voltado.
E veio a noite com um vento negro, que deu fim em alguns homens, espetáculo rodopiante de desesperos e gritos.
As mulheres e as crianças, porém, ousaram sair para as ruas e não foram molestadas por estranhos. É assim a vida.

Quem inventou esse vento?
O medo, que voltava, como antes, junto com o morto.
Ou ele é apenas o efeito artificioso com que quero instalar, assim logo de início, uma atmosfera ainda mais suspeita para fortalecer este meu relato suspeito e destroçar todo o poder infantil que vocês têm de aplacar as tempestades.
Escolham

quinta-feira, 20 de março de 2008

Semana Santa


Ver-o-peso
Upload feito originalmente por Nando_Souza
Os preços do pescado no Ver-o-pêso são mais um incentivo ao jejum e a oração...

quinta-feira, 13 de março de 2008

Reciprocidade


Depois de vários casos de maus tratos e exageros na deportação de brasileiros em aeroportos pelo mundo, como no caso da estudante Patricia Camargo, que ia apresentar trabalho em congresso, mas foi impedida por policiais da imigração espanhola, finalmente vejo sinais de reação.
É compreensível o rigor dos europeus, afinal a prostituição, as disputas por postos de trabalho, o tráfico e outras mazelas pesam nessas medidas, mas eu quando visitante, gosto de ser bem tratado, da mesma forma que trato as pessoas que recebo na minha casa.
Se em vez de enviar jovens brasileiras para rebolar para os estrangeiros no aeroportos nacionais, nossos políticos tivessem que rebolar (no bom sentido) para dar explicações aos nossos estudantes e cientistas que foram mandados de volta, certamente eles já teriam tomado providências. Por essas e outras é que defendo o princípio da RECIPROCIDADE.

sexta-feira, 7 de março de 2008

O Eterno Feminino


O Eterno feminino é a exposição fotográfica que terá início às 19h deste sábado, 8 de março, na galeria Fotoativa, na Praça das Mercês. Fotógrafos participantes: Alberto Bitar, Anita lima, Bob Menezes, carlos Guedes, Daniel Cruz, Eduardo Kalif, Fátima Soares, Fatinha Silva, Geraldo Ramos, Ionaldo Rodrigues, Irene Almeida, Joyce Nabiça, Liane Dahás, Luciana Magno, Pedro Cunha e minha amiga Tília Koudela.
Não perca essa oportunidade, que esse povo entende do assunto.
Vá lá, que eu Jamevu!
Valeu Tília!

quarta-feira, 5 de março de 2008

1º Salão de Humor da Amazônia




Em função do grande número de inscrições de cartunistas de toda parte do mundo, o prazo final para as inscrições do 1º Salão de Humor da Amazônia foi prorrogado até o dia 11 de março.

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

Maestro Waldemar Henrique da Paz



15 de fevereiro de 1878, sexta-feira. Com o drama As duas órfãs, do escritor francês A. D´Ennery, apresentado pela companhia do ator pernambucano Vicente Pontes de Oliveira, tem início a história da bela casas de espetáculos de Belém do Pará. O Theatro de Nossa Senhora da Paz ou Theatro da Paz, como é conhecido. Hoje também faz aniversário outro monumento da música paraense, Waldemar Henrique da Costa Pereira, que de tão grande envolvimento com o Theatro, bem que poderia ser chamado de Waldemar Henrique da Paz. Ele que nos deixou de herança sua música, um retrato da alma amazônica e seu amor incondicional pelas nossas coisas.Vivas ao Theatro da Paz e ao Maestro!
Como presente aos aniversariantes, tratemos com o devido respeito nossos monumentos, nossos artistas, nossa cultura...

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

Grito Rock 2008



Para quem não curte muito as marchinhas de carnaval, hoje é dia de Rock no Açaí Biruta.

Simultâneo em 50 cidades da América do Sul, o festival Grito Rock 2008 volta em mais um
carnaval. Em Belém, a Dançum Se Rasgum Produciones traz ao Açaí Biruta uma noite com
o melhor da nova música independente. Dia 1º de fevereiro, as bandas locais I.O.N., Filhos
de Empregada e Clepsidra se juntam a amazonense Tetris e ao canadense Chris Murray na edição de Belém do Grito Rock 2008.Quem encerra a noite é a banda Irracional, formada por Sammliz, Renato Torres, Ícaro Suzuki, Leo Chermont e Adriano, especialmente montada para tocar os clássicos da fase Racional de Tim Maia.

quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

UFPA AMPLIA CAMPUS DE CAMETÁ

UFPA AMPLIA CAMPUS DE CAMETÁ E QUER ENCAMPAR MUSEU HISTÓRICO
A Universidade Federal do Pará deve repassar ao campus universitário do Tocantins/Cametá dois milhões de reais referentes ao Programa de Reestruturação das Universidades Públicas – REUNI -, para que sejam construídas seis salas de aula climatizadas, auditório para 200 pessoas, biblioteca setorial e salas de professores com cabines individuais. A construção terá início no primeiro semestre de 2008 e estará concluída em dezembro do referido ano, como afirma o coordenador do Campus, Prof. Dr. Gilmar Pereira da Silva e o Vice-coordenador Prof. M.Sc. Doriedson Rodrigues.
Todo o campus foi recentemente revitalizado e por ficar em uma área pequena no bairro da Matinha, será verticalizado em dois pavimentos.
A condenação afiançou que tudo que eles prometeram na campanha, já realizaram e estão fazendo além, como a implantação do curso de Pedagogia no município de Mocajuba e o de Letras em Pacajá. Destacaram ainda que com o plano de reestruturação das Universidades a partir de 2009 entrará em funcionamento além dos cursos já existentes os cursos de Historia, Matemática e Ciências Naturais.
A administração aguarda o termo de doação, por parte da prefeitura de Cametá, de uma área mais ampla – que poderá ser a área do antigo aeroporto - onde funcionará o campus II da UFPA em Cametá, que abrigará além de outros cursos, área esportiva e de recreação. Considerando a história da cidade de Cametá, a meta da UFPA é transformar o Campus num pólo de educação/ensino e cultura que atenda a região.
A administração, em parceria com as prefeituras, tem planos para instalar bibliotecas em todas as sedes dos municípios do Baixo - Tocantins sob jurisdição do Campus de Cametá, ou seja: Cametá, Limoeiro do Ajuru, Oeiras do Pará, Mocajuba, Baião e Pacajá e transformar a biblioteca setorial em uma espécie de Biblioteca Regional cujo acervo e atendimento sirvam de referência. A fim de firmar esse propósito, já há um embrião deste projeto no município de Mocajuba.
O coordenador garante que neste ano conclui o planejamento para que seja instalado até o ano de 2010, um curso de pós-graduação stricto sensu em Linguagem, Educação e Trabalho,além da ampliação dos cursos de especialização que já funcionam no referido Campus.
A coordenação se empenhara para fechar convênio com as prefeituras para que se possibilite a construção de alojamentos para os estudantes que vem das vilas, ilhas, sítios, povoados e dos demais municípios estudar no Campus de Cametá.
No dia 21 de fevereiro a Coordenação entregará o “Auditório Alberto Mocbel” e a “Biblioteca Salomão Larêdo”, homenagem a dois escritores cametaenses contemporâneos. Na oportunidade será criado o Núcleo de Arte e Cultura do Campus que vai desenvolver o teatro, a música a dança e que será dirigido pelos diversos grupos de teatro existente na cidade. A Coordenação pensa num espaço físico para funcionar o teatro-experimental, que poderia ser o prédio histórico onde funcionava o “Grupo Escolar Dom Romualdo de Seixas” ou ainda o prédio da antiga Câmara Municipal. Para tanto proporá parceria com a Prefeitura Municipal de Cametá.
Haverá ainda nesse dia, o lançamento do livro “Educação do campo na Amazônia: uma experiência”, organizado pelos professores Heloisa Canali, Doriedson Rodrigues, Gilmar Silva e Maria de Nazaré Araújo.
A Coordenação do Campus, juntamente com a comunidade acadêmica, tendo em vista a realização do curso permanente de História e considerando isso como uma grande conquista para a região, espera que a parceria com a prefeitura de Cametá ocorra o mais breve possível, e assim possamos dar nossa contribuição assumindo de forma acadêmica e administrativa um dos principais patrimônio da memória cametaense que é o Museu Histórico de Cametá, afirma o coordenador: “tenho o máximo interesse em firmar parceria com a prefeitura para assumirmos o museu, que servirá como laboratório para o curso de História, onde poderemos manter equipes de estagiários que ajudem nos trabalhos de restauro, coleta de informações e sobretudo, contribuir com a preservação desse patrimônio histórico que é um dos retratos desta bela cidade que está beirando os 400 anos de fundação. Nossa meta é contribuir com o desenvolvimento da região que abriga uma significativa comunidade que vem ajudando na construção de um humanismo transformador visando a construção de uma sociedade mais justa, fraterna e feliz”.

terça-feira, 8 de janeiro de 2008

Lei contra os estrangeirismos (The Upgrade)


O Projeto de Lei 1676, de 1999, de autoria do deputado Aldo Rebelo, que dispõe sobre a promoção, a proteção, a defesa e o uso da língua portuguesa, objetiva combater o uso excessivo de expressões em língua estrangeira, os chamados estrangeirismos, que, segundo Aldo, dificultam a comunicação do povo brasileiro. Dessa maneira, Com a aprovação da lei, todos os documentos oficiais do Brasil deverão ser escritos em português. E toda comunicação dirigida ao público, caso utilize palavras em outra língua, terá tradução para o português. A regra vale para peças publicitárias, relações comerciais, meios de comunicação de massa e informações afixadas em estabelecimentos comerciais. Eu como defensor de nossa "flor do Lácio" também quero meter minha colher suja de açaí e manifestar minha preocupação com a atual situação.

Não é novidade o receio de que a língua portuguesa seja engolida por algum outro idioma estrangeiro, houve uma época em que o "très chic" era falar francês. E, apesar de todas as precauções dos especialistas, a influência foi inevitável e tão natural que acabamos por adotar e "aportuguesar" algumas palavras que já foram consideradas barbarismos, como garçom, abajur, dossiê, turnê, entre outras. Hoje, devido ao domínio tecnológico, político, econômico e cultural dos Estados Unidos, a grande ameaça é o inglês. É comum e saudável que uma língua se alimente de outras. Já pensou como seria traduzir para o português palavras como samba, pandeiro, agogô, tucupi, maniçoba, surf, futebol, karatê?

O caso aqui, a meu ver, é uma questão de auto-estima. O brasileiro é levado a acreditar (como diria o Edmar, vocalista do Mosaico de Ravena, na música Belém-Pará-Brasil) que "o que é bom vem lá de fora". Isso se reflete, por exemplo, em nomes próprios (que estão se tornando cada vez mais comuns) como: Maik Liann, Istive Onder, Jonatan Katerson, Maicosuel, Rarley Deivis, Quetlen, Thuanny, Sheristone, Stefanny, Argh! No campo imobiliário Belém tem sido agraciada com vários empreendimentos cujos nomes beiram a macaquice. É um tal de, Residence, Towers, Ville, Office, River, Plaza, Maison, Village, Top, Center para todos os (duvidosos) gostos. Cada com um um "plus". Play-Ground, Lounge Bar, coffee-shop, Fitness Center e por aí vai... Quando o assunto é propaganda e publicidade, então, sai de perto...

É louvável querer defender nossa língua. Eu também quero, mas o sujeito que coloca no próprio filho o nome de Maicosuel Arlinson, vai ligar para uma lei dessas? Quem vai determinar o que é uso abusivo? Com que critérios?

A língua é, de certa forma, um espelho da alma do indivíduo, através do falar é possível saber em certos casos, de que região do país a pessoa é, de que classe social, nível de escolarização, faixa etária, sexo e muitas outras informações facilmente identificáveis em uma simples conversa. Não tem como mudar isso por decreto, apesar de não gostar dos exemplos que citei acima, eles são apenas um sintoma desse mal, não a causa. não me parece sensato querer tratar um sintoma sem cuidar da causa principal do mal, que é, a meu modo de ver, a baixa estima do brasileiro. O que nós precisamos urgentemente é melhorar a auto-estima do brasileiro através da educação, distribuir livros nas escolas, incentivar a leitura, criar formas de propagação da literatura brasileira, valorizar nossos escritores, nossa cultura, promover debates, feiras, baratear o custo dos livros, subsidiar, criar à exemplo de outros programas, um que garanta a leitura de pelo menos um livro por mês aos brasileiros. Isto sim mereceria o meu total apoio.
Uma informação: mais de 200 línguas, além do português, são faladas no Brasil: cerca de 190 línguas indígenas e 20 línguas de comunidades descendentes de imigrantes. (voltaremos ao assunto em breve)

quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

O fim da CPMF e a volta ao "quinto dos infernos"

Depois de ter engordado "provisoriamente" os cofres do governo nos últimos treze anos, a CPMF que substituiu o IPMF de 1994, finalmente foi derrubada. O que tinha tudo para ser uma ótima notícia está sendo devidamente reeditada pelo já previsto "plano B" do governo, um pacote de medidas destinadas a compensar as perdas decorrentes do fim da cobrança. Com isso, o governo passou a alíquota que era cobrada na CPMF(0,38%), para o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), o que na prática, restaura a antiga cobrança. Por falar em antiga, é da época do Brasil-Colônia, a expressão "o quinto dos infernos", uma referência ao percentual de 20%, o "quinto", que a coroa portuguesa exigia como tributação dos produtores brasileiros, principalmente de ouro. Essa cobrança de Portugal provocou na população um sentimento de revolta que culminou com a inconfidência mineira e o enforcamento de Tiradentes.
Muitas revoltas depois o Brasil acabou se tornando "independente", mas o "quinto" já não é mais o mesmo. Bem alimentado por nossos valorosos políticos, o quinto dos infernos, praticamente dobrou de tamanho e continua crescendo... Quantos "enforcamentos" ocorrerão até que o povo realmente lute por seus direitos?

Veja abaixo a "listinha" de tributos (impostos, contribuições, taxas, contribuições de melhoria) existentes no Brasil:

--------------------------------------------------------------------------------

Adicional de Frete para Renovação da Marinha Mercante - AFRMM - Lei 10.893/2004
Contribuição á Direção de Portos e Costas (DPC) - Lei 5.461/1968
Contribuição ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - FNDCT - Lei 10.168/2000
Contribuição ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), também chamado "Salário Educação"
Contribuição ao Funrural
Contribuição ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) - Lei 2.613/1955
Contribuição ao Seguro Acidente de Trabalho (SAT)
Contribuição ao Serviço Brasileiro de Apoio a Pequena Empresa (Sebrae) - Lei 8.029/1990
Contribuição ao Serviço Nacional de Aprendizado Comercial (SENAC) - Lei 8.621/1946
Contribuição ao Serviço Nacional de Aprendizado dos Transportes (SENAT) - Lei 8.706/1993
Contribuição ao Serviço Nacional de Aprendizado Industrial (SENAI) - Lei 4.048/1942
Contribuição ao Serviço Nacional de Aprendizado Rural (SENAR) - Lei 8.315/1991
Contribuição ao Serviço Social da Indústria (SESI) - Lei 9.403/1946
Contribuição ao Serviço Social do Comércio (SESC) - Lei 9.853/1946
Contribuição ao Serviço Social do Cooperativismo (SESCOOP) - art. 9, I, da MP 1.715-2/1998
Contribuição ao Serviço Social dos Transportes (SEST) - Lei 8.706/1993
Contribuição Confederativa Laboral (dos empregados)
Contribuição Confederativa Patronal (das empresas)
Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico - CIDE Combustíveis - Lei 10.336/2001
Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico - CIDE Remessas Exterior - Lei 10.168/2000
Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública - Emenda Constitucional 39/2002 Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional - CONDECINE - art. 32 da Medida Provisória 2228-1/2001 e Lei 10.454/2002
Contribuição Sindical Laboral (não se confunde com a Contribuição Confederativa Laboral, vide comentários sobre a Contribuição Sindical Patronal)
Contribuição Sindical Patronal (não se confunde com a Contribuição Confederativa Patronal, já que a Contribuição Sindical Patronal é obrigatória, pelo artigo 578 da CLT, e a Confederativa foi instituída pelo art. 8º, inciso IV, da Constituição Federal e é obrigatória em função da assembléia do Sindicato que a instituir para seus associados, independentemente da contribuição prevista na CLT)
Contribuição Social Adicional para Reposição das Perdas Inflacionárias do FGTS - Lei Complementar 110/2001
Contribuição Social para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS)
Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL)
Contribuições aos Órgãos de Fiscalização Profissional (OAB, CRC, CREA, CRECI, CORE, etc.)
Contribuições de Melhoria: asfalto, calçamento, esgoto, rede de água, rede de esgoto, etc.
Fundo Aeroviário (FAER) - Decreto Lei 1.305/1974
Fundo de Fiscalização das Telecomunicações (FISTEL) - Lei 5.070/1966 com novas disposições da Lei 9.472/1997
Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS)
Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (FUST) - art. 6 da Lei 9998/2000
Fundo Especial de Desenvolvimento e Aperfeiçoamento das Atividades de Fiscalização (Fundaf) - art.6 do Decreto-lei 1.437/1975 e art. 10 da IN SRF 180/2002.
Imposto s/Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS)
Imposto sobre a Exportação (IE)
Imposto sobre a Importação (II)
Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA)
Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU)
Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR)
Imposto sobre a Renda e Proventos de Qualquer Natureza (IR - pessoa física e jurídica)
Imposto sobre Operações de Crédito (IOF) + (Acrescido do percentual da alíquota da CPMF)
Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS)
Imposto sobre Transmissão Bens Intervivos (ITBI)
Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD)
INSS Autônomos e Empresários
INSS Empregados
INSS Patronal
IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados)
Programa de Integração Social (PIS) e Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PASEP)
Taxa de Autorização do Trabalho Estrangeiro
Taxa de Avaliação in loco das Instituições de Educação e Cursos de Graduação - Lei 10.870/2004
Taxa de Classificação, Inspeção e Fiscalização de produtos animais e vegetais ou de consumo nas atividades agropecuárias - Decreto Lei 1.899/1981
Taxa de Coleta de Lixo
Taxa de Combate a Incêndios
Taxa de Conservação e Limpeza Pública
Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental - TCFA - Lei 10.165/2000
Taxa de Controle e Fiscalização de Produtos Químicos - Lei 10.357/2001, art. 16
Taxa de Emissão de Documentos (níveis municipais, estaduais e federais)
Taxa de Fiscalização da Aviação Civil - TFAC - Lei 11.292/2006
Taxa de Fiscalização CVM (Comissão de Valores Mobiliários) - Lei 7.940/1989
Taxa de Fiscalização de Sorteios, Brindes ou Concursos - art. 50 da MP 2.158-35/2001
Taxa de Fiscalização de Vigilância Sanitária Lei 9.782/1999, art. 23
Taxa de Fiscalização dos Produtos Controlados pelo Exército Brasileiro - TFPC - Lei 10.834/2003
Taxa de Fiscalização e Controle da Previdência Complementar - TAFIC - art. 12 da MP 233/2004
Taxa de Licenciamento Anual de Veículo
Taxa de Licenciamento para Funcionamento e Alvará Municipal
Taxa de Pesquisa Mineral DNPM - Portaria Ministerial 503/1999
Taxa de Serviços Administrativos – TSA – Zona Franca de Manaus - Lei 9960/2000
Taxa de Serviços Metrológicos - art. 11 da Lei 9933/1999
Taxas ao Conselho Nacional de Petróleo (CNP)
Taxa de Outorga e Fiscalização - Energia Elétrica - art. 11, inciso I, e artigos 12 e 13, da Lei 9.427/1996
Taxa de Outorga - Rádios Comunitárias - art. 24 da Lei nº 9.612/98 e nos art. 7 e 42 do Decreto 2.615/1998
Taxa de Outorga - Serviços de Transportes Terrestres e Aquaviários - art. 77, incisos II e III, a art. 97, IV, da Lei 10.233/2001
Taxas de Saúde Suplementar - ANS - Lei 9.961/2000, art. 18
Taxa de Utilização do MERCANTE - Decreto 5.324/2004
Taxas do Registro do Comércio (Juntas Comerciais)
Taxa Processual Conselho Administrativo de Defesa Econômica - CADE - Lei 9.718/1998
Nota: Laudêmio, Pedágio, Aforamento e Tarifas Públicas não são considerados tributos. Veja porquê.

Fonte: Portal Tributário

segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

A hora da virada




Se você é do time que acha que 2007 já vai tarde, então tá na hora da virada, tá na hora de apelar...
A maioria das pessoas tem um ritual ou simpatia para atrair bons fluidos no ano novo. Vale de tudo, desde da roupa na cor certa, o lugar, a comida, vale de tudo.
Pra começar vai até o vêr-o-pêso, passa lá na Banca da Dona Coló e encomenda logo o "banho". Um daqueles com nomes bem peculiares: Vence-tudo, abre-caminhos, busca-longe, chega-te-a-mim, chama-dinheiro, Atrativo da perseguida, Atrativo do chora-nos-meus-pés, Pega e não me larga.
Aproveita a viagem e compra também um daqueles amuletos, patuás e muiraquitãs para atrair dinheiro, saúde, sorte no amor e bons fluidos.
Se a situação for desesperadora o jeito é seguir uma das simpatias "infalíveis" que fazem sucesso lá pelas bandas do veropa:

SAÚDE E AMOR: Se no seu caso, além da sorte, está faltando a competência aqui vai a receita:
Antes do encontro, tome umas duas garrafadas de "viagra da selva", fabricado à base de marapuama, catuaba, vergalho de coati, pau-ferro, noz-moscada, mururê, guaraná, puxuri cravo-da-índia e pinga de abaetetuba.
Para acompanhar o aperitivo, pode escolher uma ou mais frutas (in natura) entre taperebá, açaí, pupunha, araçá, bacaba, bacuri e fruta de cedro. Para o jantar prepare uma arraia guisada com mariscos frescos e turu cru passado no limão e sal. A Maria Navalhada, especialista no assunto, jura pela fé da mucura que "é tiro e queda" (por via das dúvidas, não esqueça de levar papel higiênico).

DINHEIRO: Se você anda meio panema, mais "liso" que sarapó e quer "bamburrar" em 2008, o negócio é caprichar nas mandingas. Ferva três litros de água e coloque algumas folhas de laranjeira, de fortuna, de erva de bicho, um ramo de salsa, uma colher de sopa de pó de canela. Espere amornar e despeje do pescoço para baixo, depois de seu banho normal.
Para ajudar a sorte, corte uma pena de urubú (preferivelmente do ver-o-pêso) em sete pedaços guarde um dos pedaços na carteira e jogue os outros seis na maré.
Não conte para ninguém que fez esta ou aquela simpatia. O segredo é a alma do negócio.

Aproveitem para começar o próximo ano com o pé direito. O importante é ter pensamento positivo, não só nesta época, mas em todos os dias. O importante é acreditar!

Feliz Ano Novo e Boa Sorte!

VOCABULÁRIO:
Perseguida: genitália feminina
Liso: sem dinheiro
Sarapó: Gymnotus carapo - Peixe (muito escorregadio) comum na região Norte do Brasil.
Bamburrar: ganhar muito dinheiro
Garrafada: bebeiragem preparada com ervas comum no mercado do Ver-o-pêso, em Belém do Pará
Turu: espécie de molusco que vive nas árvores em putrefacção do mangal.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

2014, Belém é show na Copa e na Cozinha



Bem, amigos da rede (aquela da sesta depois do açaí com peixe frito)...
Em 2014 a Copa volta pra casa e Belém se prepara para abrigar uma das sub-sedes da competição. Segundo os especialistas, Manaus é nosso maior adversário nessa briga (o que eu não concordo).
Acho que nosso maior adversário somos nós mesmos (o que não é pouco, considerando as várias "picuinhas" políticas que entravaram durante anos, obras como a macrodrenagem, o Entroncamento, o Mangueirão e outras menos votadas). É claro que temos capacidade de sediar uma das chaves da Copa, mas é preocupante principalmente a questão política, a possibilidade de falcatruas, superfaturamentos, negociatas e as briguinhas provincianas tão comuns por essas bandas. Se conseguirmos superar esse obstáculo, o resto a gente tira de letra.
Para um povo que está acostumado com a multidão (recebemos milhares de pessoas para Círio todos os anos), receber bem é uma rotina, é uma característica de nossa gente. Somos um povo apaixonado e futebol é uma dessas paixãoes onde Paysandu e Remo dão vida a uma das mais antigas e prestigiadas rivalidades do futebol brasileiro, o "clássico-rei da Amazônia" RExPA.
Temos uma cidade linda no portão de entrada da Amazônia. E há muito para o visitante experimentar e descobrir. O Teatro da Paz (um dos mais belos do brasil), a Basílica Santuário de Nazaré, a Catedral, as praças, os museus, as igrejas, só para começar.
A Estação das Docas e o Malgal das Garças são locais onde os cheiros e sabores dessa culinária única, convidam para o banquete ao som de animados ritmos de nosso folclore e embalados pela sensualidade de nossas danças.
Independente dos benefícios imediatos que esse evento pode deixar na cidade em termos de investimentos em diversos setores, é pela oportunidade ímpar de mostrar essas maravilhas ao mundo, que sou favorável a realização da Copa em Belém e caso isso se confirme, fica aqui a sugestão para os interessados, no período do evento, realizarmos paralelamente, Festivais gastronômicos, de música, folclore, dança, de artesanato, feiras e eventos que possam potencializar tudo que temos de bom para oferecer.
Que venha a Copa! ao som do carimbó, com gosto de açaí e cheiro de patchouly
Inté 2014, parente!

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Mensagens Genéricas - Natal e Ano Novo

Ainda não teve tempo de mandar suas mensagens de fim de ano?
Faltou tempo ou inspiração?
Seus problemas acabaram. Aqui tem um monte de mensagens para você escolher.
Agora vê se pelo menos para as pessoas que você considera "especiais" tu arranja tempo de escrever.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

É fantásico!

Finalmente uma notícia boa, pelo menos era o que eu imaginava quando vi a chamada da matéria no fantástico. Trio de vovós fazem turismo indo de Vitória, no Espírito Santo até Belém do Pará. A matéria mostrou as senhoras em alguns felizes momentos da aventura e finalizou dizendo que de Belém vão levar ótimas fotografias, mas que a cidade não está preparada para receber deficientes.
Sou obrigado, não só a concordar, como ir mais além. Belém não está preparada nem para alguém dito "normal". Basta dar uma volta pela cidade para confirmar o que estou afirmando. São calçadas para todos os gostos. Cheias de vasos de cimento (chumbados no concreto), com correntes, muretas, elevadas do nível da rua, revestida de lajotas (uma verdadeira armadilha, quando estão molhadas), com bancos e mesas de concreto, estacinamento de bicicletas, depósito de entulhos.
É preciso fazer valer o Código de Posturas do Município de Belém no que diz respeito aos direitos e deveres individuais e coletivos.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Método de avaliação muito Interessante

Em uma entrevista para emprego, o psicólogo dirige-se ao candidato e diz:
- Vou aplicar-lhe o teste final para admissão.
- Tubo bem - diz o candidato.
E o psicólogo pergunta:
- Você está numa estrada escura e vê ao longe dois faróis emparelhados vindo na sua direção. O que você acha que é?
- Um carro - diz o candidato.
- Um carro é muito vago. Que tipo de carro? Um BMW, um Audi, um Volkswagen?
- Não dá pra saber, né?
- Hum... resmunga o psicólogo, que continua.
Vou fazer-lhe outra pergunta:
- Você está na mesma estrada escura e vê só um farol vindo na sua direção. O que é?
- Uma moto - diz o candidato.
- Sim, mas que tipo de moto? Uma Yamaha, uma Honda, uma Suzuki?
Candidato, já meio nervoso:
- Sei lá. Numa estrada escura, não dá p’ra saber.
Aqui vai a última pergunta:
- Na mesma estrada escura você vê de novo só um farol, menor que o anterior. Você percebe que vem bem mais lento. O que é?
- Uma bicicleta.
- Sim, mas que tipo de bicicleta? Caloi, Monark, Magna?
- Não sei.
- Está reprovado!! - diz o psicólogo.
Aí o candidato dirige-se ao psicólogo e pergunta:
- Interessante esse teste. Posso fazer uma pergunta ao senhor também?
- Claro que pode. Pergunte.
- O senhor está de noite numa rua iluminada.Vê uma moça com maquiagem carregada, vestidinho vermelho bem curto, girando uma bolsinha, o que é?
- Ah! - diz o psicólogo - é uma prostituta.
- Sim, mas quem? A sua irmã? A sua mulher? Ou a puta que te pariu???

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

Nota 100 para Dona Adelaide



Dona Adelaide aquela senhora simpática, proprietária do Hotel farol, em Mosqueiro, completa hoje 100 anos. Portuguesa de nascimento e paraense por opção, a centenária senhora é responsável pelo clima "família" do Hotel. Nossos parabéns, não só à ela, mais também aos filhos, netos, bisnetos e amigos, pelo privilégio de tão honrosa companhia.

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Entrevista com Benedicto Monteiro

Entrevista com Benedicto Monteiro publicada na revista Caros Amigos, edição de novembro de 2006.

Homem do povo, getulista histórico, amigo de Jango, Brizola e Ribeiro, deputado estadual do Pará, cassado, caçado e preso em 1964, anistiado e eleito duas vezes deputado federal, procurador-geral e secretário de Estado do Pará, o escritor nascido e criado às margens do Amazonas, renovou a literatura, a poesia, a música e a filosofia do seu povo. É autor de romances, poemas, músicas, e muitos livros publicados, entre os quais a sua tetralogia amazônica que imortaliza o personagem Miguel, o mestiço que a pena de Benedicto fez ícone da nacionalidade, elevando-o à galeria maior da nossa representação literária, onde já figuram o sertanejo de Euclides da Cunha, o jeca de Monteiro Lobato e o gaúcho cantado nos ditirambos dos pampas. Este repórter leu a obra e, na sua modesta opinião, o mestiço miguel não fica em desvantagem em relação a ninguém. Como eles, se integra com tal perfeição à "teia da vida", que seu espírito, pleno de resistência e liberdade, Fritjof Capra identificaria como um condutor do "ponto de mutação".
Nele, a síntese amazônica, fundamental ao homem brasileiro, vem tornar completo o "homem do equador", anunciado pelo profeta Oswald de Andrade.


Mario Drumond: Benedicto, a Amazônia ainda é nossa?

Benedicto Monteiro: Eu diria que politicamente, o território como é visto no mapa, ela é nossa, ainda. Mas as influências que vem sofrendo, em especial econômicas, sejam estrangeiras ou do sul do país, são sempre serviço de interesses de fora. Até as conquistas culturais e científicas que tivemos, como o Museu Emílio Goeldi e outros museus, a Embrapa, o Instituto Evandro Chagas, o Enaea e outros centros de pesquisas, que detêm acervos de conhecimentos fundamentais para a Amazônia, não são nem sequer levados em consideração. Isso porque a Amazônia é, para as elites mundiais e nacionais, apenas um depósito de riquezas estratégicas.

Mario Drumond: Os poderes estaduais, como os do Pará e Amazonas, exercem algum poder real sobre seus territórios?

Benedicto Monteiro: Em 1964, logo após o golpe, só o governo do Estado do Pará teve subtraído cerca de 75% do seu território. Setenta e cinco porcento! Todo esse território passou ao governo federal. Em recente entrevista, o diretor do Iterpa revelou que há cerca de 50 mil títulos de propriedade fraudados. Cinquenta mil! Fora as terras que os grileiros ocupam. O decreto era um absurdo, foram desapropriados 100 quilômetros de cada lado das estradas federais existentes, em projeto ou por projetar. Então, era tudo! Eu vejo agora que intuito dos militares era assegurar uma anti-reforma agrária na Amazônia. Porém, quanto aos 100 quilômetros, penso que foi erro datilográfico ou loucura dos que redigitam o decreto-lei, que serviu a muitas arbitrariedades do INCRA, do Getat, e do Gabem, no domínio e na distribuição de 75 porcento das terras do Pará. Depois foi revogado. Só que enquanto vigorou colocaram lá quem quiseram, sem o governo do Pará tomar conhecimento.

Mario Drumond: E o que é feito dessas terras? O governo as entregou a estrangeiros ou a testas-de-ferro?

Benedicto Monteiro: É uma caixa-preta, ninguém sabe nada. Mais importante, para mim, é a riqueza mineral da Amazônia, a região mais rica do mundo em minério... Você fala em ouro, ferro, manganês, cobre, níquel, tudo que é minério, lá temos mais que em qualquer outro lugar. Isso estava sob o controle da Vale do Rio Doce, que era estatal, mas o governo FHC a entregou ao estrangeiro por um preço que não pagaria nem a área de terra (cerca de 400.000 hectares) que ela ocupava no
Pará. Para te dar uma idéia, citando só dois exemplos: todo o ferro de Carajás é exportado e o alumínio que é produzido no Pará é dos japoneses.

Mario Drumond: E essa história de que nos mapas europeus e dos Estados Unidos a Amazônia foi subtraída do Brasil?

Benedicto Monteiro: Eu ouvi depoimentos de diversas pessoas que me dizem que, no ensino básico das escolas européias e norte-americanas, a Amazônia já está sendo apresentada como patrimônio da humanidade, e não como pertencente ao Estado brasileiro. O povo, infelizmente, não sabe de nada, até porque não tem acesso à informação do próprio Estado, nem da realidade amazônica. Nem as elites, inclusive as políticas, querem saber do Pará. Se você, hoje, questionar um deputado da nossa Assembléia, ele não via saber te responder nada. Com o nosso velho aparato de Estado dominado por uma política econômica que privilegia o sistema financeiro, nós no Brasil não podemos fazer nada pela Amazônia. Nem mesmo preservá-la.

Mario Drumond: Nem o governo federal, que concentra todo o poder de decisão, teria condições de dar uma solução?

Benedicto Monteiro: Teria, se seus ocupantes soubessem o que é a Amazônia. Porque, se soubessem o que ela significa para o Brasil, se preocupariam muito mais com ela. É lá que residem as soluções para a economia nacional. Uma obra que considero importante, do professor Samuel Benchimol, demonstra que, se a Amazônia fosse aproveitada lucidamente pelo Brasil, já teríamos as dívidas pagas, externas e internas. Mas ninguém, em esfera alguma de poder, quer saber de estudar a Amazônia. No meu caso, foi diferente. Talvez por ser escritos e ter estudado o homem na Amazônia, me tornei o que chamam agora "ecologista". Minha obra ficcional é, por si, um manifesto ecológico, mas tratando o homem como parte da natureza e não como um perigo para ela. Eu creio que a única maneira de salvar o Brasil, de salvar a Amazônia, é a alfabetização ecológica.

Mario Drumond: Você acha que essa nossa ignorância é fomentada pelos que querem nos tomar a Amazônia?

Benedicto Monteiro: Eu não acho, eu tenho certeza. Já o papel da mídia, comandada sabemos por quem, está jogando não só no Brasil, mas em todo o mundo, com a divisão entre o que eu chamo de “ecologia profunda” e “ecologia superficial”. Estão dando toda a ênfase à “ecologia superficial”, que vê o homem como preservador, conservador ou destruidor, mas sempre fora da natureza. Com isso, querem que as pessoas se preocupem apenas com a preservação das riquezas. Para quê? Para servir às estratégias dos países hegemônicos, e não às nossas. Mas existe uma resistência na Amazônia. No início do século 20 havia cerca de 4 milhões de indígenas na Amazônia, que, de lá pra cá, foram dizimados, um verdadeiro genocídio. Isso significa que houve resistência, uma resistência que persiste no mestiço, que miscigenou com o índio e se fez seu herdeiro legítimo. É ele que está lá, a postos, pronto para enfrentar o invasor. O grande problema são as elites, e quando digo elites não me refiro apenas às elites sociais. Eu me refiro às elites políticas, dos trabalhadores, dos empresários; são elas que têm prejudicado economicamente o Brasil.

Mario Drumond: Essa postura francamente entreguista das elites teria origens no udenismo pós-Getúlio?

Benedicto Monteiro: No Pará não tivemos esse udenismo exacerbado do sul. Agora mesmo, o atual governador chamou grupos folclóricos para um trabalho de preservação da nossa música, que é riquíssima. Nenhum Estado ou país possui a quantidade de ritmos e formas musicais que existem no Pará. E isso estava se perdendo. Então temos de concordar que é uma iniciativa bem pouco udenista.... Lá existe um espírito nacionalista ainda vivo. A única forma de resistência que pode prosperar no Brasil é o nacionalismo. E não é à toa que ele existe no Pará. Sempre fomos muito ligados a Portugal, a primeira nação desbravadora do mundo e, portanto, o primeiro nacionalismo. Aliás, no início, o Pará era ligado diretamente a Portugal, e não ao Brasil. A cabanagem, por exemplo, foi uma revolução nacionalista, nativista e patriótica, e acabou sendo esmagada por autoridades portuguesas, já na regência brasileira. Como ainda hoje, as autoridades federais não sabem que o Pará é um Estado membro da República Federativa do Brasil.

Mario Drumond: Você acha que a Amazônia poderia ter vocação industrial?

Benedicto Monteiro: Olha, a Amazônia pode ser tudo o que quiser. É um mundo por ser conquistado. O que eu acho absurdo é gente do sul que vai lá e volta dizendo que estão queimando tudo, acabando com as florestas... Não sabem nada, e saem falando como grandes autoridades. O que há de verdade nisso acontece de Marabá pra baixo. Por quê? Aquelas terras foram distribuídas pelo INCRA e pelo Getat para multinacionais e gente do sul. Se você for lá, vai ver que é raro encontrar paraense, só gente de fora. Aquelas terras nunca foram queimadas por paraenses. Estão queimando-as para plantio de soja e criação de gado, o chamado “agronegócio”. Mas o que devasta mesmo é a extração irracional de madeira.

Mario Drumond: Existe algum dado sobre a propriedade privada no Pará hoje?

Benedicto Monteiro: Com informações que possam ser acessadas, não. Grandes propriedades privadas de paraenses no Pará, hoje, são poucas. Não há mais grande empresa de paraenses. São todas estrangeiras, japonesas, européias, norte-americanas, do Sul, do Nordeste... No Pará, a dominação ainda está no estágio da dominação econômica. É mantida a fachada de Estado brasileiro, apesar de ser cada vez mais fachada e menos Brasil.

Mario Drumond: Qual a sua opinião sobre Marina da Silva?
Benedicto Monteiro: Com Mesmo sendo ela voltada para a nossa região, seu ministério não tem as mínimas condições para tomar contato com a nossa realidade. Mas eu não teria um nome do poder político atual para substituí-la. A maioria desse pessoal conhece a Amazônia de avião. Para não tomar conhecimento da corrupção da Sudam, simplesmente a fecharam, como fecharam o BNH. Esse governo nada fez pela Amazônia.

Mario Drumond: Uma solução do tipo Marcello Guimarães e as microdestiladiras poderia ser um caminho também para a Amazônia?

Benedicto Monteiro: Com Não só para a Amazônia, para todo o país. O caminho sempre será o das microssoluções. A Amazônia só tem esse caminho. Quando você for lá, eu posso lhe mostrar, por exemplo, o artesanato. Você vai ficar encantado com o que aquele pessoal faz com as coisas de lá. Tudo que a natureza dá eles transformam. Espinha de peixe, vegetais, minerais, é extraordinário. Eu advogo a idéia de que deveríamos ter uma legislação ecológica que considerasse o homem como parte da natureza. Aí, sim, o povo iria se beneficiar e teríamos, enfim, o tal “desenvolvimento sustentável”. Desenvolvimento sustentável só pode vir pelas microssoluções. Considere a nossa experiência com o álcool. Tinha tudo pra dar certo, mas optaram pela produção em latifúndios. Tivemos até um exemplo semelhante ao de Marcello na Amazônia. Na década de 50, nas margens do Tocantins, pequenos proprietários plantaram cana e fizeram renome com boas cachaças.
Isso acabou porque o poder econômico trocou a cana pelo café, como produto de latifúndio facilitador do contrabando. Levavam café, traziam contrabando. Belém chegou a ser a cidade que mais tinha carros “importados”. Não mais fazemos cachaça no Pará. Nada pode ser resolvido em qualquer lugar do mundo com latifúndios, muito menos na Amazônia.

Mario Drumond: Os governos do Pará nunca pensaram nas microssoluções?

Benedicto Monteiro: Os sucessivos governos que tivemos só estimularam latifúndios. E depois vêm falar de desenvolvimento sustentável. Ora... O que falta é interesse do governo em dar educação e condições para que o povo brasileiro resolva os problemas do país. Você pega qualquer político, no Executivo e no Legislativo, e eles nem querem saber disso. Não pensam em estimular, pela educação, o conhecimento do povo da própria terra. No Pará, não tínhamos versão recente da história do Pará, eu tive de fazê-la por meus próprios meios. Em quase todos os Estados brasileiros, isso não existe. O brasileiro está sem noção da própria história, e não tem a menor idéia da nossa geografia.

Mario Drumond: E os ecologistas se aproveitam para dizer que estamos destruindo nossas riquezas por ignorância...

Benedicto Monteiro: Tudo mentira! O Pará é prova de que o brasileiro não destrói, preserva. No que toca à responsabilidade do povo, é o que temos melhor e mais bem aproveitado das riquezas naturais da Amazônia. Sabem fazer e como fazer. Para te dizer a verdade, a única solução possível para o Brasil começa pela reforma agrária. Acho que fui o único deputado que propôs uma lei para a reforma agrária de verdade, mas a nossa Assembléia nem sequer quis discuti-la, mandaram arquivar; e depois mandaram também para a polícia...

Mario Drumond: Por que livros como os seus, e outros importantes para conhecer o Brasil, ficam restritos à língua portuguesa? Não há interesse lá fora?

Benedicto Monteiro: Claro que há. Maria de Todos os Rios foi o meu último livro publicado na Holanda. Agora mesmo, estudiosos alemães estão fazendo uma leitura profunda da minha obra, e tenho recebido gente de vários países com o mesmo interesse. O que não há é interesse dos nossos governos, nem das elites mundiais, em propagar a nossa realidade. Somos um tesouro que querem esconder do mundo.

Mario Drumond: Você acha que vai chegar o dia em que eles vão querer nos invadir e tomar a Amazônia?

Benedicto Monteiro: Entre as formas como as invasões são feitas hoje, a econômica está muito adiantada. A questão da água é preocupante. Não só temos a maior bacia hidrográfica do mundo, como temos vastos aquíferos inexplorados. E tem por aí doido para tudo. Não se lembra daquele que fez o projeto do lado amazônico?

Mario Drumond: O que, na sua opinião, o Brasil precisa saber da Amazônia em primeiro lugar?

Benedicto Monteiro: A meu ver, o mais importante seria o Brasil se conscientizar de que, na Amazônia, somos uma civilização fluvial. E isso nos torna uma região diferente. As rodovias lá ligam rios, saem do nada e vão para o nada. Todo o potencial fluvial permanece inexplorado, nem sequer temos linhas fluviais regulares. Getúlio foi o único estadista que teve visão para a Amazônia. Ele criou o Bando da Amazônia, a Sudam, estatizou toda a infra-estrutura, os serviços públicos, e comprou uma frota de navios na Holanda para suprir os ramais fluviais. Eram transatlânticos que ficavam e Manaus, e faziam a linha Belém-Manaus, e outros portos do Nordeste e do Sul. Navios menores atendiam ramais secundários. Acabou, o que representou enorme atraso para os Estados amazônicos, com prejuízos incalculáveis. Então, se o Brasil quiser entender a Amazônia, tem que começar por entender que somos uma civilização fluvial. Sem entender isso, não prospera nada que se faça pela Amazônia. Todas as cidades amazônicas estão na beira dos rios. Todas as pessoas moram perto dos rios, vivem dos rios, sobrevivem dos rios. Olhe o mapa hidrográfico do Pará e verá que é um emaranhado de rios, sem falar nos igarapés. Belém era cheia de igarapés. Chegaram a planejar torná-la a Veneza brasileira, o que seria, além de belíssimo, excelente para a cidade. Mas vieram os rodoviários, aterraram tudo, encanaram, e aquelas coisas todas que hoje são grandes problemas. Poderíamos estar andando de barco em Belém. E nem a ligação óbvia por via fluvial para Icoaraci e Mosqueiro temos mais. Querem fazer do Pará um estado rodoviário, é um absurdo! Antes fosse transporte ferroviário, mas a única estrada de ferro que tínhamos, acabaram com ela. O que nos resta é o transporte aéreo, e caro. A Panair do Brasil começou lá, com os hidroaviões, pois tinham campos de pouso naturais nos rios. Não temos mais hidroaviões! Se você não tiver a visão de que o homem é parte da natureza, que a natureza é “a teia da vida” que Capra está desvendando, e que somos uma civilização fluvial, de hidrovias, um Estado trançado de rios e igarapés, como você entenderá o Pará, a Amazônia? Nunca vai entender! É por não entendermos a Amazônia que a estamos entregando à exploração vil pelos estrangeiros. O ferro de Carajás, o alumínio, tudo para os estrangeiros.

Mario Drumond: Então estamos perdendo mesmo a Amazônia?

Benedicto Monteiro: Infelizmente, estamos. Mas eu ainda acredito no nosso povo. No passado, foram os mestiços que fizeram a Cabanagem. Eu digo que a Cabanagem foi a única revolução do mundo em que o povo depôs o poder e assumiu de fato o poder. E isso aconteceu no Pará, em 1830. Veio a repressão, e matou mais de 40.000 pessoas. Tivemos em Eduardo Angelim o grande herói revolucionário. Ele liderou a verdadeira revolução brasileira, e eu digo revolução no sentido inclusive marxista – era o povo que derrubava o governo alienígena, imperialista, gente vindo de fora para governá-lo. Um povo que queria e sabia como assumir e conduzir o poder em sua própria terra.

Mario Drumond: A Revolução Caraíba de Oswald de Andrade? Ou um precursor de Solano Lopes no Brasil?

Benedicto Monteiro: Não, não era uma revolução de um ditador. Era o povo conquistando poder. Mas o pior é que os próprios paraenses não sabem nada disso. Eu estudei no Colégio Marista, no Pará, na década de 40. Alguns professores eram franceses, e eu saí de lá sem saber nada sobre a Cabanagem, sobre o Pará e o Brasil. Mas sabendo tudo sobre a França e a Revolução Francesa! E hoje nem isso saem sabendo... É uma tristeza.

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

ESTREBUSHISMO NA LITERATURA DO PARÁ

Desabafo do amigo Salomão Larêdo, escritor e jornalista.

Estrebucham os que têm vergonha de ser paraense, de falar no Pará, de valorizar o que é nosso e continuam valorizando só o que vem de fora achando que o que temos e produzimos aqui não presta, não serve, não é bom e nesse sentido, certamente, estão redondamente enganados os adeptos do bushismo, embora tenham todo o direito de estrebuchar e estrebushar.
Daqui desta Amazônia, da região norte, do Pará, continuarei defendendo o que é nosso. Refiro-me a literatura local. Continuo também defendendo a Feira do Livro do Pará que começou nos tempos em que a bibliotecária Valdéa Cunha era diretora de biblioteca da FCPTN e que se efetivava no espaço Ismael Néri, do Centur, faz tempo (e depois virou, com outra numeração, Pan-Amazônica) há memória disso, é só consultar.
Analisando tanto quanto pude, escrevi (em minha dissertação de mestrado em estudos literários a respeito do esquecimento que se dá ao escritor Raymundo Moraes, como metáfora do nosso proceder com tantos escritores de valor que temos) , que a UFPA, de há muito, aboliu a disciplina Literatura Paraense – recordo que o professor José Arthur Bogéa esperneou e telefonou aos escritores para que reagissem a essa tirania -, por entendê-la restritiva e já inclusa dentro do que se chama Literatura Brasileira e aí nomeou de expressão amazônica, sem dúvida, bonita, porém, nada nomeia se não identificar o estado, a localidade. E o mais grave, ficou sem ser estudada na graduação e na pós, pasmem!
Vamos assim, abolindo, deixando de falar, omitindo e não divulgando o que é nosso, do Pará, quando se trata de literatura, pois nas outras vertentes da arte até que não há tanto esse preconceito. E o Pará perde divulgação também através do açaí, da castanha, cupuaçu, do tacacá e outros produtos. Não defendemos, perdemos.
Minha identificação: sou paraense que nasceu na Vila do Carmo, município de Cametá e ardoroso defensor da cultura da minha região e de meu estado, o Pará. Então sou adepto do paraensismo, sem nenhum tipo de xenofobismo. Amo o Pará e procuro defender o que é nosso e então nesse sentido, sou contra o separatismo, embora adepto do pluralismo cultural, do compartilhar, da interlocução, da diversidade.
Logo, sou consciente das defesas que faço a respeito do Pará. Para mim, existe e vai continuar existindo a Literatura Paraense. Adoto o termo porque é uma forma de chamar a atenção do público aos escritores de nosso terra, pois estamos distantes do eixo sul/sudeste que destaca ,através de um cânone preconceituoso, de um lóbi de editoras,apenas quem quer. Existe sim, preconceito lá que começa aqui por quem tem vergonha de falar do que é seu e até de dizer que é do Pará. Somos e muito discriminados e há tanto preconceito porque somos caboclos parauaras do Norte. É uma luta constante que travamos contra tudo e contra todos que querem nos ver pelas costas, sem nos dar chance de mostrar o que produzimos, o que somos.
Percebo que a situação é a mesma no Rio Grande do Sul. Leio matéria publicada na revista “Entrelivros”, deste mês de novembro, que tem por título – Literatura Brasileira – a ficção do sul profundo, em que Marcelo Backes, no lead, comenta: “conheça 11 escritores gaúchos, pouco conhecidos além dos limites regionais, que merecem atravessar a divisa do Mampituba”.
Marcelo informa que “nas universidades, há disciplinas de literatura do Rio Grande do Sul [...] E sempre fomos gaúchos acima de tudo [...]. Estamos começando a nos mostrar solidários. Se a lenda dizia que um cesto de caranguejos baianos tinha de ser trancado rigorosamente porque uns ajudam os outros a subir, deixando-o vazio em poucos segundos, enquanto o cesto artístico de caranguejos gaúchos podia ser deixado aberto, porque assim que um subia o outro se encarregava de puxá-lo pra baixo, agora não é mais assim. Estamos começando a nos unir!”.
E aí então o autor do texto começa a apresentar os 11 escritores e comenta que “alguns dos melhores autores continuam nas beiradas, ou às margens editoriais, midiáticas e geográficas”. E encerra comentando que “muitas vezes é na franja que um tecido se apresenta mais encorpado e complexo, e nós, o leitor, certamente não queimaremos a boca se comermos pelas beiradas o mingau da façanhuda literatura gaúcha”.
Devíamos seguir o exemplo, nos unir e quem sabe, começar cavando ao menos uma matéria similar a essa que aqui citei. A lenda do cesto de caranguejo é muito conhecida no meio artístico paraense. Aqui, fez sucesso, o outro se morde, acha ruim e procura destroçar o outro, puxa mesmo para o fundo da lata ou do cofo. Nem solidariedade intelectual, temos, com exceções, claro, é só lembrar de José Veríssimo, José Eustachio de Azevedo e do que reclamava Dalcídio Jurandir.
É a união que faz a força. Os gaúchos nomeiam sua feira de livro de: Feira do Livro de Porto Alegre, como fizeram recentemente Manaus e São Luis e já fazem Frankfurt, Nairóbi, Paris, Bogotá, Curitiba, Parati, Bahia, Pernambuco e outros, todos, se ufanando do que é seu . Então, nomeemos assim a nossa : Feira do Livro do Pará.
Por que será que para os adeptos do bushismo, é proibido, indevido, revela insensatez, mesquinhez, provincianismo, falar da Literatura do Pará ou Literatura Paraense? Livro, leitura e literatura são direitos também dos pobres e não apenas da elite, dos ricos, dos mandarins, dos donos do cânone literário, dos que se acham no direito de dizer o que serve,o que presta. Devemos deixar ao povo essa escolha democrática. A discriminação não é um caminho de transformação social. O escritor do Pará, o artista paraense, tem talento, produção e merece nosso estudo, nosso respeito, nossa estima e nossa divulgação.
Viva a Literatura do Pará!

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Beba Moderadamente...




13 é o cabalístico número de frases de advertência do Ministério da Saúde que deverão substituir a polissêmica "beba com moderação" nas propagandas de bebidas alcoólicas. Eu que já vinha atendendo aos fortes apelos da mídia (bebendo "moderadamente" apenas a minha sagrada caixa de cerveja de final de semana), resolvi colaborar também nessa nova empreitada, com minhas frases de advertência.
O Ministério da Saúde Adverte:
- Beber pode causar amnésia. Pague antes de encher a cara.
- Se for dirigir não beba. Se for beber me chame!
- Bebida e direção não combinam. Ou vá de taxi, ou beba em casa.
- Evite a ressaca. mantenha-se bêbado.
- A bebida mata lentamente. Dá tempo de tomar mais uma.
- A abstinência alcoólica é ótima. Desde que praticada com moderação.
- O fígado faz mal à bebida. Peça outro tipo de tira-gosto.
- A bebida aguça a vontade de fumar. Não esqueça de um maço reserva.
- Quem bebe vive menos... estressado, menos deprimido, menos triste.
- A bebida pode causar desidratação. Beba no banheiro.
- A bebida pode prejudicar seu desempenho na escola. Pare de estudar.
- A bebida pode prejudicar o desempenho sexual. Pelo menos você terá algo para botar a culpa.
- A bebida é a pior inimiga do homem: mas o homem que foge do seu inimigo é um covarde!

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Show da melhor qualidade DE GRAÇA



O Projeto Pôr-do-som foi criado em 2001 e acontece todas às sextas-feiras, às 18h, com apresentações de grupos de danças parafolclóricas, na orla da Estação das Docas. O projeto também objetiva a difusão e preservação de nossas raízes culturais, abrindo espaço para o público ter contato com nossas expressões folclóricas, além de possibilitar a divulgação dessas expressões das diversas localidades de nosso estado.
Nesta sexta, dia 23, será a vez do Grupo Eco Marajoara, de Soure.
Show da melhor qualidade! e o que é melhor, GRÁTIS. Palavra de quem vai quase toda sexta.

terça-feira, 20 de novembro de 2007

Falha de comunicação

Falha de de comunicação é um problema sério.

Quando a gente pensa que entendeu tudo direitinho...

clique e confira.

sexta-feira, 16 de novembro de 2007


Se estivesse vivo, estaria completando 95 anos neste sábado, o Maestro santareno Wilson Fonseca (Isoca), músico versátil, autodidata, que passeou pelos mais variados estilos sem jamais se afastar das suas raízes. Sua música, de um regionalismo sem exageros, possui ao mesmo tempo uma dimensão paraense, brasileira e universal. Membro fundador da Academia Paraense de Música e membro da Academia Paraense de Letras deixou-nos cerca de oitocentas (800) composições musicais que vão da música sacra à popular, passando pelo tango, bolero, chachado, samba enredo e hino de escolas.

Nossas homenagens!

Republica de Ninguém


Por falar em República... Praça da República, Belém, PA - 15/11/2007, 11:45.
A foto é um exemplo de como a "coisa pública" tem sido tratada. É triste!

quinta-feira, 15 de novembro de 2007

O BRASIL É UMA REPÚBLICA?

A etimologia da palavra República (do latim res publica - literalmente o bem público) chama a nossa atenção para a coisa comum, a coisa pública, aquilo que é do povo.Nesta comemoração à proclamação da República, reflita sobre o sentido de "coisa pública". Com politícos tratando nossa republica como "de ninguém", "de quem for mais esperto" e coisas do gênero, ficamos longe de ser uma república de verdade.. Lute pelo que é seu, meu, nosso... Pelas nossas praças, calçadas, ruas, cidades, pela nossa cultura, por uma república de verdade.

terça-feira, 13 de novembro de 2007

DEUS NÃO É SURDO – Não seja MUDO… Denuncie!



Dando uma força para a campanha DEUS NÃO É SURDO.

"Seja um crente decente, não grite no ouvido da gente".

As estátuas ambulantes e os ambulantes estátuas.

A interminável novela dos ambulantes no comércio de Belém chega a mais um capítulo. Desta vez o prefeito anuncia que está negociando a compra, ainda este ano, de um antigo prédio comercial na Presidente Vargas para transformá-lo em um camelódromo vertical (a exemplo do que foi feito com os "restaurantes" da Assis de Vasconcelos, que foram tranferidos para um prédio nas proximidades). A medida em si é muito boa. O problema é que, no caso dos "ambulantes" da Pres. Vargas, a questão é bem mais complexa do que parece. A começar pelos produtos, já que muitos deles comercializam mercadorias contrabandeados do paraguai, CDs e DVDs pirateados e outras mercadorias ilegais que são fornecidos por verdadeiras organizações criminosas. Outro agravante é a postura do poder público com relação a reocupação por outros "ambulantes" (fato que já se repetiu várias vezes, sem a devida reação dos governantes, principalmente em anos eleitorais).
Nada contra ninguém, mas, na minha modesta opinião, ambulante é o picolezeiro, o tapioqueiro, pamonheiro e outros que "andam" pela cidade oferecendo aos gritos seus produtos. O homem-estátua, que já encontrei em várias ruas do centro executando suas performances, é mais ambulante que os que lotearam nossas ruas, limitando nosso sagrado direito de ir e vir.
O comércio clandestino é um mal que se auto-alimenta. Enquanto provoca a queda nas vendas do comercio formal, causa o aumento do desemprego e a queda na arredação de impostos, diminuindo assim os investimentos que poderiam gerar novos empregos, empurrando a população para a informalidade num círculo vicioso interminável.
Agora pulamordedeus, sem esses argumentos de que "é isso ou entrar para o crime", "eu podia estar roubando" ou coisa parecida.
Em outras palavras: O PROBLEMA DE BELÉM NÃO SÃO OS AMBULANTES. São os que se fixam tal e qual os parasitas das mangueiras de Belém.
Viva as estátuas ambulantes! Abaixo a esculhambação! Abaixo os falsos ambulantes!

sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Tabela Periódica Virtual

Mais uma ajudinha para os vestibulandos. Uma Tabela Periódica Virtual que fornece dados como: massa atômica, camadas, ponto de fusão, ponto de ebulição, estado, raio atômico, Cas-ID e muitos outros. Possui busca por símbolo, número atômico, nome e nome em inglês. Exibe relatório com todos os dados, colore a tabela de acordo com a classificação selecionada entre outros recursos.
A Tabela Periódica Virtual possue as seguintes classificações: Propriedades, Efeito Biológico, Estado a 25°C, Estado a 700°C, Número Atômico, Data da Descoberta, Supercondutores em Baixas Temperaturas, Blocos s, p, d, f, Rede Cristalográfica, Raio Atômico, Metais Alcalinos, Metais Alcalinos-Terrosos, Calcogênios, Halogênios, Semi-Metais (Metalóides), Não-Metais (Ametais), Gases Nobres, Lantanídeos, Actinídios, Condutividade Térmica a 300K, Metais Maleáveis, Metais Duros ou Dúcteis, Terras Raras, Aluminóides, Carbonóides, Nitrogenóides.

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

Domínio Público - Acervo para baixar

Vale a pena dar uma olhada no acervo do Domínio Público. Lá você pode encontrar obras como a História da Literatura Brasileira , do imortal paraense, José Veríssimo Dias de Matos, e muitos outros como a lista que segue abaixo. É só escolher e baixar.
A Divina Comédia -Dante Alighieri
A Comédia dos Erros -William Shakespeare
Poemas de Fernando Pessoa -Fernando Pessoa
Dom Casmurro -Machado de Assis
Cancioneiro -Fernando Pessoa
Romeu e Julieta -William Shakespeare
A Cartomante -Machado de Assis
Mensagem -Fernando Pessoa
A Carteira -Machado de Assis
A Megera Domada -William Shakespeare
A Tragédia de Hamlet, Príncipe da Dinamarca -William Shakespeare
Sonho de Uma Noite de Verão -William Shakespeare
O Eu profundo e os outros Eus. -Fernando Pessoa
Dom Casmurro -Machado de Assis
Do Livro do Desassossego -Fernando Pessoa
Poesias Inéditas -Fernando Pessoa
Tudo Bem Quando Termina Bem -William Shakespeare
A Carta -Pero Vaz de Caminha
A Igreja do Diabo -Machado de Assis
Macbeth -William Shakespeare
Este mundo da injustiça globalizada -José Saramago
A Tempestade -William Shakespeare
O pastor amoroso -Fernando Pessoa
A Cidade e as Serras -José Maria Eça de Queirós
Livro do Desassossego -Fernando Pessoa
A Carta de Pero Vaz de Caminha -Pero Vaz de Caminha
O Guardador de Rebanhos -Fernando Pessoa
O Mercador de Veneza -William Shakespeare
A Esfinge sem Segredo -Oscar Wilde
Trabalhos de Amor Perdidos -William Shakespeare
Memórias Póstumas de Brás Cubas -Machado de Assis
A Mão e a Luva -Machado de Assis
Arte Poética -Aristóteles
Conto de Inverno -William Shakespeare
Otelo, O Mouro de Veneza -William Shakespeare
Antônio e Cleópatra -William Shakespeare
Os Lusíadas -Luís Vaz de Camões
A Metamorfose -Franz Kafka
A Cartomante -Machado de Assis
Rei Lear -William Shakespeare
A Causa Secreta -Machado de Assis
Poemas Traduzidos -Fernando Pessoa
Muito Barulho Por Nada -William Shakespeare
Júlio César -William Shakespeare
Auto da Barca do Inferno -Gil Vicente
Poemas de Álvaro de Campos -Fernando Pessoa
Cancioneiro -Fernando Pessoa
Catálogo de Autores Brasileiros com a Obra em Domínio Público -Fundação Biblioteca Nacional
A Ela -Machado de Assis
O Banqueiro Anarquista -Fernando Pessoa
Dom Casmurro -Machado de Assis
A Dama das Camélias -Alexandre Dumas Filho
Poemas de Álvaro de Campos -Fernando Pessoa
Adão e Eva -Machado de Assis
A Moreninha -Joaquim Manuel de Macedo
A Chinela Turca -Machado de Assis
As Alegres Senhoras de Windsor - William Shakespeare
Poemas Selecionados -Florbela Espanca
As Vítimas-Algozes -Joaquim Manuel de Macedo
Iracema -José de Alencar
A Mão e a Luva -Machado de Assis
Ricardo III -William Shakespeare
O Alienista -Machado de Assis
Poemas Inconjuntos -Fernando Pessoa
A Volta ao Mundo em 80 Dias -Júlio Verne
A Carteira -Machado de Assis
Primeiro Fausto -Fernando Pessoa
Senhora -José de Alencar
A Escrava Isaura -Bernardo Guimarães
Memórias Póstumas de Brás Cubas -Machado de Assis
A Mensageira das Violetas -Florbela Espanca
Sonetos -Luís Vaz de Camões
Eu e Outras Poesias -Augusto dos Anjos
Fausto -Johann Wolfgang von Goethe
Iracema -José de Alencar
Poemas de Ricardo Reis -Fernando Pessoa
Os Maias -José Maria Eça de Queirós
O Guarani -José de Alencar
A Mulher de Preto -Machado de Assis
A Desobediência Civil -Henry David Thoreau
A Alma Encantadora das Ruas -João do Rio
A Pianista -Machado de Assis
Poemas em Inglês -Fernando Pessoa
A Igreja do Diabo -Machado de Assis
A Herança -Machado de Assis
A chave -Machado de Assis
Eu -Augusto dos Anjos
As Primaveras -Casimiro de Abreu
A Desejada das Gentes -Machado de Assis
Poemas de Ricardo Reis -Fernando Pessoa
Quincas Borba -Machado de Assis
A Segunda Vida -Machado de Assis
Os Sertões -Euclides da Cunha
Poemas de Álvaro de Campos -Fernando Pessoa
O Alienista -Machado de Assis
Don Quixote. Vol. 1 -Miguel de Cervantes Saavedra
Medida Por Medida -William Shakespeare
Os Dois Cavalheiros de Verona -William Shakespeare
A Alma do Lázaro -José de Alencar
Vida Eterna -Machado de Assis
A Causa Secreta -Machado de Assis
14 de Julho na Roça -Raul Pompéia
Divina Comedia -Dante Alighieri
O Crime do Padre Amaro -José Maria Eça de Queirós
Coriolano -William Shakespeare
Astúcias de Marido -Machado de Assis
Senhora -José de Alencar
Auto da Barca do Inferno -Gil Vicente
Noite na Taverna -Manuel Antônio Álvares de Azevedo
Memórias Póstumas de Brás Cubas -Machado de Assis
A “Não-me-toques”! -Artur Azevedo
Os Maias -José Maria Eça de Queirós
Obras Seletas -Rui Barbosa
A Mão e a Luva -Machado de Assis
Amor de Perdição -Camilo Castelo Branco
Aurora sem Dia -Machado de Assis
Édipo-Rei -Sófocles
O Abolicionismo -Joaquim Nabuco
Pai Contra Mãe -Machado de Assis
O Cortiço -Aluísio de Azevedo
Tito Andrônico -William Shakespeare
Adão e Eva -Machado de Assis
Os Sertões -Euclides da Cunha
Esaú e Jacó -Machado de Assis
Don Quixote -Miguel de Cervantes
Camões -Joaquim Nabuco
Antes que Cases -Machado de Assis
A melhor das noivas -Machado de Assis
Livro de Mágoas -Florbela Espanca
O Cortiço -Aluísio de Azevedo
A Relíquia -José Maria Eça de Queirós
Helena -Machado de Assis
Contos -José Maria Eça de Queirós
A Sereníssima República -Machado de Assis
Iliada -Homero
Amor de Perdição -Camilo Castelo Branco
A Brasileira de Prazins -Camilo Castelo Branco
Os Lusíadas -Luís Vaz de Camões
Sonetos e Outros Poemas -Manuel Maria de Barbosa du Bocage
Ficções do interlúdio: para além do outro oceano de Coelho Pacheco. - Fernando Pessoa
Anedota Pecuniária -Machado de Assis
A Carne -Júlio Ribeiro
O Primo Basílio -José Maria Eça de Queirós
Don Quijote -Miguel de Cervantes
A Volta ao Mundo em Oitenta Dias -Júlio Verne
A Semana -Machado de Assis
A viúva Sobral -Machado de Assis
A Princesa de Babilônia -Voltaire
O Navio Negreiro -Antônio Frederico de Castro Alves
Catálogo de Publicações da Biblioteca Nacional -Fundação Biblioteca Nacional
Papéis Avulsos -Machado de Assis
Eterna Mágoa -Augusto dos Anjos
Cartas D’Amor -José Maria Eça de Queirós
O Crime do Padre Amaro -José Maria Eça de Queirós
Anedota do Cabriolet -Machado de Assis
Canção do Exílio -Antônio Gonçalves Dias
A Desejada das Gentes -Machado de Assis
A Dama das Camélias -Alexandre Dumas Filho
Don Quixote. Vol. 2 -Miguel de Cervantes Saavedra
Almas Agradecidas -Machado de Assis
Cartas D’Amor - O Efêmero Feminino -José Maria Eça de Queirós
Contos Fluminenses -Machado de Assis
Odisséia -Homero
Quincas Borba -Machado de Assis
A Mulher de Preto -Machado de Assis
Balas de Estalo -Machado de Assis
A Senhora do Galvão -Machado de Assis
O Primo Basílio -José Maria Eça de Queirós
A Inglezinha Barcelos -Machado de Assis
Capítulos de História Colonial (1500-1800) -João Capistrano de Abreu
Charneca em Flor -Florbela Espanca
Cinco Minutos -José de Alencar
Memórias de um Sargento de Milícias -Manuel Antônio de Almeida
Lucíola -José de Alencar
A Parasita Azul -Machado de Assis
A Viuvinha -José de Alencar
Utopia -Thomas Morus
Missa do Galo -Machado de Assis
Espumas Flutuantes -Antônio Frederico de Castro Alves
História da Literatura Brasileira: Fatores da Literatura Brasileira - Sílvio Romero
Hamlet -William Shakespeare

A Ama-Seca
-Artur Azevedo
O Espelho -Machado de Assis
Helena -Machado de Assis
As Academias de Sião -Machado de Assis
A Carne -Júlio Ribeiro
A Ilustre Casa de Ramires -José Maria Eça de Queirós
Como e Por Que Sou Romancista -José de Alencar
Antes da Missa -Machado de Assis
A Alma Encantadora das Ruas -João do Rio
A Carta -Pero Vaz de Caminha
Livro de Sóror Suadade -Florbela Espanca
A mulher Pálida -Machado de Assis
Americanas -Machado de Assis
Cândido -Voltaire
Viagens de Gulliver -Jonathan Swift
El Arte de la Guerra -Sun Tzu
Conto de Escola -Machado de Assis
Redondilhas -Luís Vaz de Camões
Iluminuras -Arthur Rimbaud
Schopenhauer -Thomas Mann
Carolina -Casimiro de Abreu
A esfinge sem segredo -Oscar Wilde
Carta de Pero Vaz de Caminha. -Pero Vaz de Caminha
Memorial de Aires -Machado de Assis
Triste Fim de Policarpo Quaresma -Afonso Henriques de Lima Barreto
A última receita -Machado de Assis
7 Canções -Salomão Rovedo
Antologia -Antero de Quental
O Alienista -Machado de Assis
Outras Poesias -Augusto dos Anjos
Alma Inquieta -Olavo Bilac
A Dança dos Ossos -Bernardo Guimarães
A Semana -Machado de Assis
Diário Íntimo -Afonso Henriques de Lima Barreto
A Casadinha de Fresco -Artur Azevedo
Esaú e Jacó -Machado de Assis
Canções e Elegias -Luís Vaz de Camões
História da Literatura Brasileira -José Veríssimo Dias de Matos
A mágoa do Infeliz Cosme -Machado de Assis
Seleção de Obras Poéticas -Gregório de Matos
Contos de Lima Barreto -Afonso Henriques de Lima Barreto
Farsa de Inês Pereira -Gil Vicente
A Condessa Vésper -Aluísio de Azevedo
Confissões de uma Viúva -Machado de Assis
As Bodas de Luís Duarte -Machado de Assis
O Livro D’ele -Florbela Espanca
O Navio Negreiro -Antônio Frederico de Castro Alves
A Moreninha -Joaquim Manuel de Macedo
Lira dos Vinte Anos -Manuel Antônio Álvares de Azevedo
A Orgia dos Duendes -Bernardo Guimarães
Kamasutra -Mallanâga Vâtsyâyana
Triste Fim de Policarpo Quaresma -Afonso Henriques de Lima Barreto
A Bela Madame Vargas -João do Rio
Uma Estação no Inferno -Arthur Rimbaud
Cinco Mulheres -Machado de Assis
A Confissão de Lúcio -Mário de Sá-Carneiro
O Cortiço -Aluísio Azevedo
Reliquiae -Florbela Espanca
Minha formação -Joaquim Nabuco
A Conselho do Marido -Artur Azevedo
Auto da Alma -Gil Vicente
345 -Artur Azevedo
O Dicionário -Machado de Assis
Contos Gauchescos -João Simões Lopes Neto
A idéia do Ezequiel Maia -Machado de Assis
Amor com amor se paga -França Júnior
Cinco minutos -José de Alencar
Lucíola -José de Alencar
Aos Vinte Anos -Aluísio de Azevedo
A Poesia Interminável -João da Cruz e Sousa
A Alegria da Revolução -Ken Knab
O Ateneu -Raul Pompéia
O Homem que Sabia Javanês e Outros Contos -Afonso Henriques de Lima Barreto
Ayres e Vergueiro -Machado de Assis
A Campanha Abolicionista -José Carlos do Patrocínio
Noite de Almirante -Machado de Assis
O Sertanejo -José de Alencar
A Conquista -Coelho Neto
Casa Velha -Machado de Assis
O Enfermeiro -Machado de Assis
O Livro de Cesário Verde -José Joaquim Cesário Verde
Casa de Pensão -Aluísio de Azevedo
A Luneta Mágica -Joaquim Manuel de Macedo
Poemas -Safo
A Viuvinha -José de Alencar
Coisas que Só Eu Sei -Camilo Castelo Branco
Contos para Velhos -Olavo Bilac
Ulysses -James Joyce
13 Oktobro 1582 -Luiz Ferreira Portella Filho
Cícero -Plutarco
Espumas Flutuantes -Antônio Frederico de Castro Alves
Confissões de uma Viúva Moça -Machado de Assis
As Religiões no Rio -João do Rio
Várias Histórias -Machado de Assis
A Arrábida -Vania Ribas Ulbricht
Bons Dias -Machado de Assis
O Elixir da Longa Vida -Honoré de Balzac
A Capital Federal -Artur Azevedo
A Escrava Isaura -Bernardo Guimarães
As Forças Caudinas -Machado de Assis
Coração, Cabeça e Estômago -Camilo Castelo Branco
Balas de Estalo -Machado de Assis
As Viagens -Olavo Bilac
Antigonas -Sofócles
A Dívida -Artur Azevedo
Sermão da Sexagésima -Pe. Antônio Vieira
Uns Braços -Machado de Assis
Ubirajara -José de Alencar
Poética -Aristóteles
Bom Crioulo -Adolfo Ferreira Caminha
A Cruz Mutilada -Vania Ribas Ulbricht
Antes da Rocha Tapéia -Machado de Assis
Poemas Irônicos, Venenosos e Sarcásticos -Manuel Antônio Álvares deAzevedo
Histórias da Meia-Noite -Machado de Assis
Via-Láctea -Olavo Bilac
O Mulato -Aluísio de Azevedo
O Primo Basílio -José Maria Eça de Queirós
Os Escravos -Antônio Frederico de Castro Alves
A Pata da Gazela -José de Alencar
Brás, Bexiga e Barra Funda -Alcântara Machado
Vozes d’África -Antônio Frederico de Castro Alves
Memórias de um Sargento de Milícias -Manuel Antônio de Almeida
O que é o Casamento? -José de Alencar
A Harpa do Crente -Vania Ribas Ulbricht
A Casa Fechada -Roberto Gomes Ribeiro
As Asas de um Anjo (Comédia) -José de Alencar
Béatrix -Honoré de Balzac
Diva -José de Alencar
A Melhor Amiga -Artur Azevedo
A Confissão de Lúcio -Mário de Sá-Carneiro
Contos Avulsos -Alcântara Machado
Poemas Humorísticos e Irônicos -João da Cruz e Sousa
Cantiga de Esponsais -Machado de Assis
Quincas Borba -Machado de Assis
Brincar com fogo -Machado de Assis
Helena -Machado de Assis
Dentro da noite -João do Rio
O Livro da Lei -Aleister Crowley
Caramuru: poema épico do descobrimento da Bahia -José de Santa Rita Durão
Conto de Escola -Machado de Assis
Memórias de um Sargento de Milícias -Manuel Antônio de Almeida
Poemas Malditos -Manuel Antônio Álvares de Azevedo
Ao Entardecer (contos vários) -Visconde de Taunay
Felicidade pelo Casamento -Machado de Assis
Noite na Taverna -Manuel Antônio Álvares de Azevedo
Cartas Chilenas -Tomáz Antônio Gonzaga
O Mulato -Aluísio de Azevedo
Farsa do Velho da Horta -Gil Vicente
Amor com Amor se Paga -Joaquim José da França Júnior
Andar a Pé -David Henry Thoreau
Arras por Foro de Espanha (1371-1372) -Vania Ribas Ulbricht
Mãe -José de Alencar
Contos Fluminenses -Machado de Assis
Amedeide : poema eroico -Gabriello Chiabrera
Caso da Vara -Machado de Assis
Poemas -Alphonsus de Guimarães
O Mundo como Está -Voltaire
Elogio da vaidade -Machado de Assis
Decadência de dois grandes homens -Machado de Assis
Um Homem Célebre -Machado de Assis
A Marquesa de Santos -Paulo Setúbal
Memorial de Aires -Machado de Assis
As Pupilas do Senhor Reitor -Júlio Dinis
Conto Alexandrino -Machado de Assis
A Almanjarra -Artur Azevedo
Poesias dispersas -Machado de Assis
Ser Infeliz -Franz Kafka
Teoria do Medalhão -Machado de Assis
Lendas e Narrativas (Tomo I) -Vania Ribas Ulbricht
Viver! -Machado de Assis
Sonetos -Luís Vaz de Camões
A Normalista -Adolfo Ferreira Caminha
Crônicas -Afonso Henriques de Lima Barreto
O Velho da Horta -Gil Vicente
Divina Commedia di Dante -Dante Alighieri
Carolina -Casimiro de Abreu
Auto da Índia -Gil Vicente
A Melhor Vingança -Artur Azevedo
O Ingênuo -Voltaire
A Pata da Gazela -José de Alencar
O Demônio Familiar -José de Alencar
Iaiá Garcia -Machado de Assis
Camões -Joaquim Nabuco
Cultura e Opulência do Brasil por suas Drogas e Minas -Pe. André João Jonil
O Mistério da Estrada de Sintra -José Maria Eça de Queirós
Filosofia de um par de botas -Machado de Assis
O Gaúcho -José de Alencar
Discurso Sobre a História da Literatura do Brasil-Manifesto Publicado na Revista Nictheroy em 1836 -Machado de Assis
Histórias e Tradições da Província de Minas Gerais -Bernardo Guimarães
Tu, só tu, puro amor -Machado de Assis
Vida Urbana -Afonso Henriques de Lima Barreto
Caramuru -José de Santa Rita Durão
As Cartas de Amabed -Voltaire
Papéis Avulsos -Machado de Assis
À Margem da História -Euclides da Cunha
Uma Lágrima de Mulher -Aluísio de Azevedo
Clara dos Anjos -Afonso Henriques de Lima Barreto
Crisálidas -Machado de Assis
Críticas Teatrais -Machado de Assis
Mariana -Machado de Assis
As Farpas (Fevereiro a Maio 1878) -José Maria Eça de Queirós
Correspondência de Machado de Assis -Machado de Assis
O Mandarim -José Maria Eça de Queirós
Cantigas de Santa Maria -I -Alfonso X, el Sabio
O Moço Loiro -Joaquim Manuel de Macedo
Em busca dos contos perdidos -Mariza B. T. Mendes
Vênus! divina vênus! -Machado de Assis
O Ateneu -Raul Pompéia
Eterno! -Machado de Assis
Poesias Coligidas -Antônio Frederico de Castro Alves
Encarnação -José de Alencar
Algunos Poemas a Lesbia -Caio Valério Catulo
Capítulo dos Chapéus -Machado de Assis
O Caçador de Esmeraldas -Olavo Bilac
A Luneta Mágica -Joaquim Manuel de Macedo
O Seminarista -Bernado Guimarães
Ao Correr da Pena -José de Alencar
A Retirada da Laguna -Visconde de Taunay
Noite na Taverna -Alvarez Azevedo
Deus -Vania Ribas Ulbricht
Quinhentos Contos -Machado de Assis
Carmina -Caio Valério Catulo
Os Sertões -Euclides da Cunha
Diva -José de Alencar
Histórias e Sonhos -Afonso Henriques de Lima Barreto
O corpo feminino em debate -Maria Izilda Santos de Matos
Madame Bovary -Gustave Flaubert
Fernando e Fernanda -Machado de Assis
Zadig ou o Destino -Voltaire
Máximas, Pensamentos e Reflexões -Marquês de Maricá
Momento literário -João do Rio
Poemas -Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)
Poesias Colegiais -Antônio Frederico de Castro Alves
História do Futuro, Vol. I -Pe. Antônio Vieira
A Margem -José Leon Machado
Astúcias de Namorada -M. Pinheiro Chagas
Desencantos -Machado de Assis
O Mulato -Aluísio Azevedo
Metafísica das Rosas -Machado de Assis
Tarde -Olavo Bilac
O Uraguai -José Basílio da Gama
A Doença do Fabrício -Artur Azevedo
Lendas do Sul -João Simões Lopes Neto
Cartas de Inglaterra -José Maria Eça de Queirós
As Farpas (Janeiro 1878) -José Maria Eça de Queirós
Benedita -Machado de Assis
A relíquia -José Maria Eça de Queirós
Pareceres de Machado de Assis -Machado de Assis
Contrastes e Confrontos -Euclides da Cunha
A Carta de Mestre João Faras -Mestre João Faras
O Brasil Anedótico-Humberto de Campos
Evolução -Machado de Assis
A Moça mais Bonita do Rio de Janeiro -Artur Azevedo
Ondas e Outros Poemas Esparsos -Euclides da Cunha
Clara dos Anjos -Afonso Henriques de Lima Barreto
O Dialeto Caipira -Amadeu Amaral
Eurico, o Presbítero -Vania Ribas Ulbricht
O Anel de Polícrates -Machado de Assis
O Juiz de Paz da Roça -Luís Carlos Martins Pena
A Pata da Gazela -José de Alencar
Minha formação -Joaquim Nabuco
A Normalista -Adolfo Ferreira Caminha
As Pupilas do Senhor Reitor -Júlio Dinis
Uma Senhora -Machado de Assis
Don Quixote -Miguel de Cervantes Saavedra
Singularidades de uma Rapariga Loura -José Maria Eça de Queirós
Las 7 Partidas -Alfonso X, el Sabio
O Seminarista -Bernardo Guimarães
A Tempestade -Vania Ribas Ulbricht
As Casadas Solteiras -Luís Carlos Martins Pena
A Falência -Júlia Lopes de Almeida
Entre 1892 e 1894 -Machado de Assis
A Morte do Lidador -Vania Ribas Ulbricht
Camões: discurso pronunciado a 10 de junho de 1880 por parte [sic] do Gabinete
Português de Leitura
-Joaquim Nabuco
Memórias da Rua do Ouvidor -Joaquim Manoel de Macedo
A Voz -Vania Ribas Ulbricht
Capítulos de História Colonial -João Capistrano de Abreu
À Margem da História -Euclides da Cunha
O Homem dos Quarenta Escudos -Voltaire
Poema da Virgem -Pe. José de Anchieta
A Filosofia do Mendes -Artur Azevedo
Profissão de Fé -Olavo Bilac
As Mulheres de Mantilha -Joaquim Manuel de Macedo
Último Capítulo -Machado de Assis
D. Paula -Machado de Assis
O Noviço -Luís Carlos Martins Pena
Inocência -Visconde de Taunay
Marília de Dirceu -Tomáz Antônio Gonzaga
Auto da Alma -Gil Vicente
Os Sonhos d’Ouro -José de Alencar
O Monstro e Outros Contos -Humberto de Campos
O anjo Rafael -Machado de Assis
Marília de Dirceu -Tomáz Antônio Gonzaga
Casada e viúva -Machado de Assis
Catálogo da Exposição Comemorativa do IV Centenário -Fundação Biblioteca Nacional
Lição de Botânica -Machado de Assis
Crônica do Viver Baiano Seiscentista - Os Homens Bons -Gregório de Matos
Dispersão -Mário de Sá-Carneiro
Romance de uma Velha -Joaquim Manuel de Macedo
Amante Liberal -Miguel de Cervantes
Marcha Fúnebre -Machado de Assis
Casa, não casa -Machado de Assis
El Conde de Montecristo -Alexandre Dumas
Ubirajara -José de Alencar
Broquéis -João da Cruz e Sousa
A Mortalha de Alzira -Aluísio de Azevedo
História de uma lágrima -Machado de Assis
O Homem que Sabia Javanês -Afonso Henriques de Lima Barreto
I-Juca-Pirama -Antônio Gonçalves Dias
Curta história -Machado de Assis
Histórias sem Data -Machado de Assis
Como se inventaram os almanaques -Machado de Assis
Papéis Velhos -Machado de Assis
Crônicas de Londres -José Maria Eça de Queirós
Ensaio Histórico sobre as Letras no Brasil -Francisco Adolfo de Varnhagen
Poemas de Fagundes Varela -Luís Nicolau Fagundes Varela
Os Dois Amores -Joaquim Manuel de Macedo
Coisas que Só Eu Sei -Camilo Castelo Branco
O Livro de uma Sogra -Aluísio de Azevedo
Encarnação -José de Alencar
O Cemitério dos Vivos -Afonso Henriques de Lima Barreto
Prosas Bárbaras -José Maria Eça de Queirós
A Serpente de Bronze -Humberto de Campos
O Navio Negreiro -Antônio Frederico de Castro Alves
O Relógio de Ouro -Machado de Assis
A Polêmica -Artur Azevedo
Algunas Poesías -Johann Wolfgang von Goethe
A Pele do Lobo -Artur Azevedo
A Orgia dos Duendes -Bernardo Guimarães
Los Miserables -Victor Hugo
Contos Fora de Moda -Artur Azevedo
O Bobo -Vania Ribas Ulbricht
Auto da Feira -Gil Vicente
O Cemitério dos Vivos -Afonso Henriques de Lima Barreto
Divina Commedia di Dante: Inferno -Dante Alighieri
Os Brilhantes do Brasileiro -Camilo Castelo Branco
a Ilíada -Homero
Duas Juízas -Machado de Assis
Os Bruzundangas -Afonso Henriques de Lima Barreto
Caráter -Ralph Waldo Emerson
Lira dos Vinte Anos -Alvarez Azevedo
A Capital Federal -Artur Azevedo
A Jóia -Artur Azevedo
Diana -Machado de Assis
Prólogos Interessantíssimos -Vários autores
Micrômegas -Voltaire
A Ritinha -Artur Azevedo
Casa de Pensão -Aluísio Azevedo
Longe dos Olhos -Machado de Assis
O Rio de Janeiro em 1877 -Artur Azevedo
Verso e Reverso -José de Alencar
O que é o Casamento? -José de Alencar
Os Timbiras -Antônio Gonçalves Dias
Fulano -Machado de Assis
Esaú e Jacó -Machado de Assis
Mateus e Mateusa -Qorpo Santo
Germinal -Émile Zola
Auto da Festa de São Lourenço -Pe. José de Anchieta
Minha formação -Joaquim Nabuco
Casa velha -Machado de Assis
O Judas em Sábado de Aleluia -Luís Carlos Martins Pena
Quem Casa, Quer Casa -Luís Carlos Martins Pena
De bello Gallico -Júlio César
Contos -José Maria Eça de Queirós
Cantiga velha -Machado de Assis
Casa de pensão -Aluísio de Azevedo
Poesia Litigiosa -Antônio Frederico de Castro Alves
Canções e Elegias -Luís Vaz de Camões
Canto da Solidão -Bernardo Guimarães
Poemas Escolhidos -Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)
A Carne -Júlio Ribeiro
Carta de um Defunto Rico -Afonso Henriques de Lima Barreto
Quem Boa Cama Faz… -Machado de Assis
Uma Praga Rogada nas Escadarias da Fôrca -Camilo Castelo Branco
Gato Negro -Edgar Allan Poe
Crônica do Viver Baiano Seiscentista - A Nossa Sé da Bahia -Gregório de Matos
Anna Karenina -León Nikolaïévitch Tolstoy
Hoje Avental, amanhã Luva -Machado de Assis
A Nova Califórnia -Afonso Henriques de Lima Barreto
Linha Reta e Linha Curva -Machado de Assis
Lágrimas de Xerxes -Machado de Assis
As Farpas (Janeiro a Fevereiro 1873) -José Maria Eça de Queirós
Alma Inquieta -Olavo Bilac
D. Mônica -Machado de Assis
Demônios -Aluísio Azevedo
Poesías -Antonio Machado
Suje-Se, Gordo! -Machado de Assis
Abel e Helena -Artur Azevedo
Dracula -Bram Stoker
A Viuvinha -José de Alencar
A Intrusa -Júlia Valentina da Silveira Lopes de Almeida
Assombramento -Afonso Arinos
Seleção de Obras Poéticas -Gregório de Matos
Os Bruzundangas -Afonso Henriques de Lima Barreto
As Farpas (Junho a Julho 1882) -José Maria Eça de Queirós
A Marcelina -Artur Azevedo
Aventuras de Robinson Crusoe -Daniel Defoe
Segundos Cantos e Sextilhas de Frei Antão -Antônio Gonçalves Dias
Lendas do Sul -João Simões Lopes Neto
As Farpas (Junho 1883) -José Maria Eça de Queirós
O Empréstimo -Machado de Assis
Cartas Familiares e Bilhetes de Paris -José Maria Eça de Queirós
Viagens na Minha Terra -João Batista da Silva Leitão de Almeida Garret
Inocência -Visconde de Taunay
A Filha de Maria Angu -Artur Azevedo
A Nota de Cem Mil-Réis -Artur Azevedo
Manuscrito de um Sacristão -Machado de Assis
Otelo -William Shakespeare
Cantigas de Santa María -Alfonso X, el Sabio
Panóplias -Olavo Bilac
Viver -Machado de Assis
Sarças de Fogo -Olavo Bilac
Livro das Donas e Donzelas -Júlia Lopes de Almeida
Entre Santos -Machado de Assis
As Farpas (Março a Abril 1873) -José Maria Eça de Queirós
Comes e Bebes -Artur Azevedo
As Asas de um Anjo (Peça) -José de Alencar
Auto de Mofina Mendes -Gil Vicente
A Conquista -Coelho Neto
Trio em Lá Menor -Machado de Assis
O Touro Branco -Voltaire
Grãos de Mostarda -Humberto de Campos
Sermão do Bom Ladrão (1655) -Pe. Antônio Vieira
Sermão de Santo Antônio -Pe. Antônio Vieira
De Profundis -Oscar Wilde
Os Retirantes -José do Patrocínio
Ernesto de Tal -Machado de Assis
A Partida -Coelho Neto
O Enfermeiro -Machado de Assis
Idéias do Canário -Machado de Assis
Quem conta em conto… -Machado de Assis
Cinco minutos -José de Alencar
A Ilha da Maré -Manuel Botelho de Oliveira
Sermão I - Maria, Rosa Mística -Pe. Antônio Vieira
Seleção de Obras Poéticas II -Gregório de Matos
História da Província de Santa Cruz, A que Vulgarmente Chamamos Brasil - Pero de Magalhães Gândavo
Aos Vinte Anos -Aluísio Azevedo
Alves & Cia. -José Maria Eça de Queirós
O Bispo Negro -Vania Ribas Ulbricht
Não Consultes Médico -Machado de Assis
Primeiros Cantos -Antônio Gonçalves Dias
Clepsidra -Camilo Pessanha
Estórias de Jenni -Voltaire
Farsa ou Auto de Inês Pereira -Gil Vicente
Miss Dollar -Machado de Assis
The Necronomicon -Aleister Crowley
Memorial de Aires -Machado de Assis
Faróis -João da Cruz e Sousa
A Vitória e a Piedade -Vania Ribas Ulbricht
O Touro Negro -Aluísio Azevedo
Til -José de Alencar
Um Apólogo -Machado de Assis
Na Academia Brasileira de Letras -Machado de Assis
Missal -João da Cruz e Sousa
As Farpas (Outubro a Novembro 1873) -José Maria Eça de Queirós
Singular Ocorrência -Machado de Assis
O Velho Senado -Machado de Assis
Triunfo da Morte -Francesco Petrarca
Novos Cantos -Antônio Gonçalves Dias
Identidade -Machado de Assis
A Semana Santa -Vania Ribas Ulbricht
O Cemitério dos Vivos -Afonso Henriques de Lima Barreto
Eu sou a vida; eu não sou a morte -Qorpo Santo
O Mandarim -José Maria Eça de Queirós
Falenas -Machado de Assis
As Casadas Solteiras -Luís Carlos Martins Pena
Clara dos Anjos -Afonso Henriques de Lima Barreto
Ressureição -Machado de Assis
Madame Bovery -Gustave Flaubert
O Garimpeiro -Bernardo Guimarães
A Casinha de Fresco -Artur Azevedo
Convivio -Dante Alighieri
Macário -Manuel Antônio Álvares de Azevedo
O Japão -Aluísio Azevedo
Últimos Sonetos -João da Cruz e Sousa
Goivos e Camélias -Machado de Assis
O Conde d’Abranhos -José Maria Eça de Queirós
O Matuto -Franklin Távora
Histórias e Sonhos -Afonso Henriques de Lima Barreto
Macário -Manuel Antônio Álvares de Azevedo
O Cônego ou Metafísica do Estilo -Machado de Assis
Conversão de um avaro -Machado de Assis
Certa Entidade em Busca de Outra -Qorpo Santo
As Jóias da Coroa -Raul Pompéia
Logica -D. Andres Piquer
Possível e Impossível -Machado de Assis
Jogo do Bicho -Machado de Assis
O Segredo de Augusta -Machado de Assis
A Princesa dos Cajueiros -Artur Azevedo
Contrastes e Confrontos -Euclides da Cunha
Singularidades de uma Rapariga Loura -José Maria Eça de Queirós
Ex Cathedra -Machado de Assis
Poesias Completas -Laurindo José da Silva Rabelo
O Homem -Aluísio Azevedo
Umas Férias -Machado de Assis
Poesias Coligidas -Antônio Frederico de Castro Alves
O Oráculo -Machado de Assis
Dracula -Bram Stocker
To be or not to be -Machado de Assis
Rogério Duprat: sonoridades multiplas -Regiane Gaúna
O Juiz de Paz da Roça -Luís Carlos Martins Pena
A Origem do Mênstruo -Bernardo Guimarães
Os deuses de casaca -Machado de Assis
Luxo e Vaidade -Joaquim Manuel de Macedo
Recordações do Escrivão Isaías Caminha -Afonso Henriques de Lima Barreto
O Segredo do Bonzo -Machado de Assis
Crisálidas -Machado de Assis
Luzia-Homem -Domingos Olímpio Braga Cavalcanti
O Elixir do Pajé -Bernardo Guimarães
Suspiros Poéticos e Saudades -Domingos Gonçalves de Magalhães
Frei Simão -Machado de Assis
Um Tratado da Cozinha Portuguesa do Século XV -Anônimo
D. Pedro -Vania Ribas Ulbricht
Amor por Anexins -Artur Azevedo
El Profeta -Gibran Kalil Gibran
O Rei dos Caiporas -Machado de Assis
Folhas Caídas -João Batista da Silva Leitão de Almeida Garret
O Garatuja -José de Alencar
O que são as moças -Machado de Assis
Flor anônima -Machado de Assis
O Caçador de Esmeraldas -Olavo Bilac
O País das Quimeras -Machado de Assis
Diálogos das Grandezas do Brasil -Ambrósio Fernandes Brandão
Edipo Rey -Sófocles
O Único Assassinato de Cazuza -Afonso Henriques de Lima Barreto
As Farpas (Novenbro a Dezenbro 1882) -José Maria Eça de Queirós
As Asneiras do Guedes -Artur Azevedo
Retirada da Laguna -Visconde de Taunay
O contrato -Machado de Assis
Banhos de Mar -Artur Azevedo
Feitos de Mem de Sá -Pe. José de Anchieta
A mulher de Anacleto -Afonso Henriques de Lima Barreto
Os Irmãos das Almas -Luís Carlos Martins Pena
O Ateneu -Raul Pompéia
Galeria Póstuma -Machado de Assis
Um Capitão de Voluntários -Machado de Assis
Sermão de Santo Antônio -Pe. Antônio Vieira
Páginas Críticas e Comemorativas -Machado de Assis
Sermão do Mandato (1643) -Pe. Antônio Vieira
Mattos, Malta ou Matta? -Aluísio de Azevedo
Maria Cora -Machado de Assis
A Maldita Parentela -Joaquim José da França Júnior
Poemas Irônicos, Venenosos e Sarcásticos -Alvarez Azevedo
O Pai -Machado de Assis
Numa e a Ninfa -Afonso Henriques de Lima Barreto
Relíquias da Casa Velha -Machado de Assis
As Cerejas -Artur Azevedo
História de Quinze Dias -Machado de Assis
Quem Casa, Quer Casa -Luís Carlos Martins Pena
O Humor e a Ironia em Bernardo de Guimarães -Bernardo Guimarães
Espumas Flutuantes -Antônio Frederico de Castro Alves
Textos críticos -Machado de Assis
O Mambembe -Artur Azevedo
Últimos Sonetos -João da Cruz e Sousa
Produções Satíricas e Bocageanas de Bernardo de Guimarães -Bernardo Guimarães
Na Arca -Machado de Assis
Um Que Vendeu a Sua Alma -Afonso Henriques de Lima Barreto
O Soldado -Vania Ribas Ulbricht
Via-Láctea -Olavo Bilac
Eneida -Publius Virgilius Maro
O Protocolo -Machado de Assis
Polêmicas e reflexões -Machado de Assis
Marginália -Afonso Henriques de Lima Barreto
Viagem à roda de mim mesmo -Machado de Assis
O Rio de Janeiro - Verso e Reverso -José de Alencar
Contos para Velhos -Olavo Bilac
Poemas -Luís Nicolau Fagundes Varela
Un Marido Ideal -Oscar Wilde
Assunto para um Conto -Artur Azevedo
Cartas Chilenas -Tomáz Antônio Gonzaga
Encher tempo -Machado de Assis
Auto da Índia -Gil Vicente
O Missionário -Inglês de Souza
O Livro Derradeiro -João da Cruz e Sousa
O Noviço -Luís Carlos Martins Pena
Sermão dos Bons Anos -Pe. Antônio Vieira
O Lapso -Machado de Assis
Os Pobres -Raul Brandão
Discurso sobre a História da Literatura do Brasil -Visconde de Araguaia
Os Ciúmes de um Pedestre ou o Terrível Capitão do Mato -Luís Carlos Martins Pena
LARANJA-DA-CHINA -Alcântara Machado
Três tesouros perdidos -Machado de Assis
Flores da Noite -Lycurgo José Henrique de Paiva
Tentação -Adolfo Ferreira Caminha
O Livro de Cesario Verde -José Joaquim Cesário Verde
História do Futuro, Vol. II -Pe. Antônio Vieira
O Último dia de um poeta -Machado de Assis
Páginas Recolhidas -Machado de Assis
A Luta -Carmen Dolores
O caminho da porta -Machado de Assis
As Maluquices do Imperador -Paulo Setúbal
Alves & Cia. -José Maria Eça de Queirós
Mocidade e Morte -Vania Ribas Ulbricht
Os Dois ou o Inglês Maquinista -Luís Carlos Martins Pena
O Anjo Caído -João Batista da Silva Leitão de Almeida Garret
Uma águia sem asas -Machado de Assis
O Subterrâneo do Morro do Castelo -Afonso Henriques de Lima Barreto
Uma Visita de Alcebíades -Machado de Assis
Recordações do Escrivão Isaías Caminha -Afonso Henriques de Lima Barreto
A Viúva do Estanislau -Artur Azevedo
O Esqueleto -Aluísio Azevedo
Broquéis -João da Cruz e Sousa
Um Apólogo -Machado de Assis
O Diplomático -Machado de Assis
Chico -Artur Azevedo
Vila Rica -Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)
Dívida Extinta -Machado de Assis
Girândola de amores -Aluísio de Azevedo
O imortal -Machado de Assis
O Cancioneiro Português da Vaticana -Teophilo Braga
O caminho de Damasco -Machado de Assis
Antonica da Silva -Joaquim Manuel de Macedo
Uma carta -Machado de Assis
Amor e Pátria -Joaquim Manuel de Macedo
História comum -Machado de Assis
Ponto de Vista -Machado de Assis
Poemas de Raul de Leoni -Raul de Leoni
A Jóia -Artur Azevedo
Catálogo da Exposição Cruz e Sousa, 100 anos de morte (1898-1998) - Fundação Biblioteca Nacional
Um cão de lata ao rabo -Machado de Assis
Verba Testamentária -Machado de Assis
O Namorador ou a Noite de São João -Luís Carlos Martins Pena
Um esqueleto -Machado de Assis
Vidas Paralelas - Tomo I -Plutarco
O Espírito -Artur Azevedo
Como o Diabo as Arma! -Artur Azevedo
Milagre do Natal -Afonso Henriques de Lima Barreto
O Cabeleira -Franklin Távora
Uma Lágrima de Mulher -Aluísio Azevedo
O Defeito de Família -Joaquim José da França Júnior
Enrique IV -William Shakespeare
As Viagens -Olavo Bilac
Carne Frita -Gustavo Villas Boas Farias
Abel e Helena -Artur Azevedo
Alma Cabocla -Paulo Setúbal
A Mortalha de Alzira -Aluísio de Azevedo
As Doutoras -Joaquim José da França Júnior
O anjo das donzelas -Machado de Assis
Bom - Crioulo -Adolfo Ferreira Caminha
Uma Tragédia no Amazonas -Raul Pompéia
Pílades e Orestes -Machado de Assis
Amor com Amor se Paga -França Júnior
Não consultes Médico -Machado de Assis
O Pecado -Afonso Henriques de Lima Barreto
Utopia -Thomas More
O astrólogo -Machado de Assis
Elefantes e Ursos -Artur Azevedo
Morta que Mata -Artur Azevedo
Violeta -Raul Pompéia
Crônica do Viver Baiano Seiscentista - O Burgo -Gregório de Matos
A Marquesa de Santos -Paulo Setúbal
Vidros quebrados -Machado de Assis
Questão de vaidade -Machado de Assis
A Morte do Lidador -Vania Ribas Ulbricht
Francisca -Machado de Assis
Contos Fora da Moda -Artur Azevedo
Tropas e boiadas -Hugo de Carvalho Ramos
Remissão de Pecados -Joaquim Manuel de Macedo
Bodas de Sangre -Federico Garcia Lorca
São Cristóvão -José Maria Eça de Queirós
A Intrusa -Júlia Lopes de Almeida
O caso da Viúva -Machado de Assis
O cancioneiro portuguez da Vaticana -Teophilo Braga
Folha rota -Machado de Assis
Eficiência Militar -Afonso Henriques de Lima Barreto
Henriqueta Renan -Machado de Assis
O Passado, passado -Machado de Assis
A Ilha da Maré -Manuel Botelho de Oliveira
Pobre Cardeal! -Machado de Assis
O Poeta e a Inquisição -Visconde de Araguaia
Leonor de Mendonça -Antônio Gonçalves Dias
Um Homem Célebre -Machado de Assis
Poemas Malditos -Alvarez Azevedo
Iaiá Garcia -Machado de Assis
Patkull -Antônio Gonçalves Dias
Pobre Finoca -Machado de Assis
Meia Hora de Cinismo -Joaquim José da França Júnior
Medea -Eurípedes
Camos de Soria -Antonio Machado
Poemas -Alphonsus de Guimarães
Crônica do Viver Baiano Seiscentista - Os Homens Bons -Gregório de Matos
O Tipo Brasileiro -Joaquim José da França Júnior
Sermão da Glória de Maria, Mãe de Deus -Pe. Antônio Vieira
Luís Soares -Machado de Assis
História de Quinze Dias -Machado de Assis
Os Noivos -Artur Azevedo
História da Conjuração Mineira -Joaquim Norberto de Souza e Silva
D. Jucunda -Machado de Assis
O Movimento da Independência, -Oliveira Lima
Maria Rosa Mística Excelências, Poderes e Maravilha do seu Rosário -Pe. Antônio Vieira
Um Especialista -Afonso Henriques de Lima Barreto
Filomena Borges -Aluísio de Azevedo
O Elogio da Mentira e outras histórias -Lycio de Faria
Relíquias da Casa Velha -Machado de Assis
O Número da Sepultura -Afonso Henriques de Lima Barreto
Sentimental -Salomão Rovedo
O Juiz de Paz da Roça -Luís Carlos Martins Pena
O Coruja -Aluísio Azevedo
João Fernandes -Machado de Assis
Muitos anos depois -Machado de Assis
Ruy de Leão -Machado de Assis
Naufragios -Alvar Núñez Cabeza de Vaca
Sermão III - Maria, Rosa Mística -Pe. Antônio Vieira
O Baile do Judeu -Inglês de Souza
Maria Rosa Mística -Pe. Antônio Vieira
Qual dos dois -Machado de Assis
Poema dos Feitos de Mem de Sá -Pe. José de Anchieta
Onze anos depois -Machado de Assis
Auto da Feira -Gil Vicente
Conjugo Vobis -Artur Azevedo